Pesquisar este blog

sábado, 21 de dezembro de 2013

Presidenta Dilma comete infração de trânsito e pede desculpas pelo erro

DE PORTO ALEGRE
DE BRASÍLIA
A presidente Dilma Rousseff cometeu nesta sexta-feira (20) uma infração de trânsito considerada "gravíssima" pela legislação em vigor. De folga em Porto Alegre, ela foi fotografada durante trajeto de carro com o neto de três anos no colo, no banco de trás do veículo.
As normas brasileiras de trânsito determinam que crianças de 1 a 4 anos devem usar obrigatoriamente o equipamento de segurança conhecido como "cadeirinha".
A desobediência à norma é considerada infração "gravíssima" pelo Código de Trânsito Brasileiro, acarretando sete pontos na carteira de habilitação do condutor do carro, multa de R$ 191,54 e retenção do veículo até a resolução da irregularidade
 


No final da noite, a presidente pediu desculpas pelo "erro" em sua conta no Twitter.
"Estive hoje na casa da minha filha e, de lá, levei meu neto à casa do avô, que fica no mesmo bairro. Meu neto foi abraçado comigo no banco de trás. Foi um erro. A legislação de trânsito é clara: criança tem que andar na cadeirinha. Peço desculpas pelo erro."
De acordo com resolução do Contran (Conselho Nacional de Trânsito), o objetivo da "cadeirinha" é "estabelecer condições mínimas de segurança de forma a reduzir o risco ao usuário em casos de colisão ou de desaceleração repentina do veículo, limitando o deslocamento do corpo da criança".
 

Morte de PMs: Prisco divulga documento protocolado no MP

Dois mortos e um internado em estado grave. Este é o balanço do Teste de Habilidade Especifica (THE), para ingresso no Curso de Operações Policiais Especiais (Copes) feito por alguns policiais, na noite de terça-feira (17). Quatro soldados passaram mal. Tenente Joserrise Mesquita de Barros Nascimento, da Companhia Independente de Policiamento Especializado (Cipe/Cerrado) -este segue internado no Hospital São Rafael, entubado e inconsciente. Soldado Paulo Deivid Capinan da Silva Pedro, da 81ª CIPM (Itinga), já recebeu alta. Já Luciano Fiuza de Santana e Manoel dos Reis Freitas Júnior não resistiram e morreram.
 
Na noite desta sexta-feira (20), foi divulgado o documento protocolado junto ao Ministério Público em reunião realizada por uma comissão formada por três militares da Associação dos Policiais e Bombeiros e seus Familiares do Estado da Bahia (Aspra). Os promotores Lucélia Lopes, da procuradoria militar, e José Manoel Lemos, coordenador do Grupo de Atuação Especial para Controle Externo da Atividade Policial (Gacep), receberam o grupo na tarde de quinta-feira (19).
 
 
O objetivo do encontro foi, após ato público de caminhada da Praça Municipal até a sede do Ministério Público Estadual (MPE), em Nazaré, protocolar documento solicitando apuração para as mortes dos Policiais Militares durante um Teste de Habilidade Específica (THE), no Batalhão de  Choque, em Lauro de Freitas, na segunda-feira.
 
Os promotores se comprometeram apurar as mortes. “Já foi instaurado inquérito militar para apurar os fatos e nós vamos acompanhar as investigações”, afirmou a promotora, Lucélia Lopes. Durante a reunião, o vereador soldado Prisco deixou claro que não tem reclamações quanto à execução do curso, considerado um dos melhores do país, mas em relação à ausência de equipe técnica médica para emergências. 
 
 
 
“Não tenho o que falar quanto o conteúdo do curso mas, para um curso tão puxado, era necessário ambulância e melhor aparato médico para os militares”, analisou o vereador soldado Prisco. 
 
De acordo com o Comandante Geral da PM na Bahia, coronel Alfredo Braga de Castro, que conversou com o repórter Alessandro Isabel,  a motivação para as mortes estão sendo apuradas. Ele garantiu que o curso pelo o qual os policiais foram submetidos nunca apresentou qualquer tipo de problema e todos os participantes passaram por um teste rigoroso antes de alcançarem a etapa final de resistência.
 
“Designamos o capitão Alexandre, que além de oficial é perito, para conduzir as investigações. Diante do ocorrido não podemos adiantar nada. Nosso curso já está na sexta edição e esse foi o primeiro fato registrado. É um curso de referência internacional com toda a atenção para os aspectos médicos e físicos”, garantiu Castro.
 

AL: PMs suspendem patrulhamento com viaturas em São Miguel e mais seis cidades da região



O comandante da 1° Companhia (Cia) Independente da Polícia Militar, com sede em São Miguel dos Campos, emitiu uma nota na tarde desta quinta-feira (19) informando que os militares não irão realizar o patrulhamento ostensivo com as viaturas, tendo em vista que a unidade não dispõe de policiais habilitados com Curso específico para condução de viaturas policiais.

Com a medida, o policiamento ostensivo de toda a região será realizado apenas na modalidade A PÉ. 

A 1°Cia é responsável pelo policiamento das cidades de São Miguel dos Campos, Anadia, Campo Alegre, Boca da Mata, Jequiá da Praia, Roteiro e o Distrito de Luziápolis. Sendo assim, todas estas cidades sofrerão com a falta de viaturas no atendimento das ocorrências.

Confira a nota oficial:

Informamos que após deliberação com integrantes da 1ª. CPM/I, Companhia de Polícia Militar responsável pelo policiamento ostensivo nas cidades de São Miguel dos Campos, Anadia, Campo Alegre, Boca da Mata, Jequiá da Praia, Roteiro e Distrito de Luziápolis não dispõe de policiais habilitados com Curso específico para condução de viaturas policiais, sendo assim, o policiamento ostensivo nestas cidades será realizado na modalidade A PÉ.

A 1ª. CPM/I mesmo diante das inúmeras dificuldades nunca mediu esforços para oferecer um policiamento eficiente à sociedade, e com a certeza de que teremos um novo ano com melhorias na segurança pública, desejamos a todos um feliz natal e um próspero ano novo.

Assessoria de Comunicação - 1ª. CPM/I


Fonte: Redação Já é Notícia

Fonte: http://policialbr.ning.com

terça-feira, 10 de dezembro de 2013

LEI DE PROMOÇÕES: PM’s ocupam Assembleia Legislativa e Deputados formam comissão para intermediar negociação


Os policiais e bombeiros militares do RN saíram do acampamento no Centro Administrativo e partiram para a Assembleia Legislativa nesta terça-feira, 10, para pressionar os Deputados Estaduais a intermediarem a negociação com o Governo do Estado pela aprovação da Lei de Promoções de Praças.
 
Ocupando todas as galerias da Assembleia Legislativa, os Militares Estaduais pediram aos Deputados a aprovação da Lei após a chegada do projeto na casa legislativa. Em conversa com o Presidente da ALRN, Ricardo Mota, e o líder do Governo na AL, Getúlio Rêgo, os presidentes das associações representativas dos praças da Polícia Militar e Bombeiro Militar, solicitaram a intermediação junto ao Governo para o envio do Projeto à Assembleia ainda hoje.
 
Durante a sessão, a Deputada Márcia Maia sugeriu a formação de uma comissão para intermediar junto à Casa Civil o envio do Projeto. Todos os Deputados apoiaram o movimento e firmaram o compromisso pela aprovação da Lei de Promoções de Praças assim que chegar a Casa Legislativa.
“Essa Lei de Promoções é a liberdade desses Praças!”, exclamou o Deputado Gilson Moura.
 
Os PM’s continuam no interior da Assembleia Legislativa esperando a movimentação do Projeto que atualmente se encontra na mesa do Chefe do Gabinete Civil, Carlos Augusto Rosado.
 

domingo, 24 de novembro de 2013

Propinoduto Tucano: mais nomes são revelados



Os detalhes do “Propinoduto Tucano”, guardado a 17 chaves pelo CADE, PF e imprensa, começa a fornecer os nomes dos principais protagonistas do maior e mais contumaz esquema de corrupção já desvelado em S. Paulo, e no Brasil.
Pela sua continuidade, o esquema criou ventosas no próprio Estado, pois atravessou três governos do PSDB: os governos Mário Covas, Geraldo Alckmin e José Serra, e por suposto, tinha como objetivo principal o abastecimento do caixa dois do PSDB e do DEM.
> Nomes de alta plumagem
O jornal “O Estado de S. Paulo” revelou ontem (21), que Everton Rheinheimer, ex-diretor de vendas da Siemens, e um dos lenientes no processo, entregou, em 17 de abril de 2013, uma declaração ao CADE afirmando que receberam propinas para facilitar a formação do cartel de empresas que venciam os bilionários contratos do metro: o atual chefe da Casa Civil do governador Geraldo Alckmin (PSDB), Edson Aparecido; o deputado federal Arnaldo Jardim (PPS-SP); Jurandir Fernandes, secretário de Transportes Metropolitanos do governo de São Paulo; José Aníbal, secretário de Energia do governo de São Paulo e Rodrigo Garcia, secretário de Desenvolvimento Econômico do governo de São Paulo.
Everton Rheinheimer também coloca sob suspeita o senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP), o ex-governador do DF José Roberto Arruda (ex-DEM), o vice-governador do DF, Tadeu Filipelli (PMDB), o deputado federal Walter Feldman (PSB-SP), e o deputado estadual Campos Machado (PTB-SP). 

> Segredo de Justiça
Procurada pelo jornal, a PF declarou que não pode falar sobre o assunto “porque o inquérito corre sob segredo de Justiça”. Os tucanos têm essa prerrogativa: qualquer investigação sobre as suas traquinagens, correm em segredo de Justiça. O segredo é tanto que, em algumas ocasiões, nem a Justiça toma conhecimento. 

> Armação do PT
As autoridades citadas por Rheinheimer negam-lhe as declarações, afirmam que o processarão por calúnia, e declaram que ele agiu orientado pelo PT, sob a coordenação do ex-deputado Simão Pedro (PT-SP), hoje secretário da prefeitura de São Paulo. 

Fonte: http://pjpontes.blogspot.com.br

sábado, 23 de novembro de 2013

Comentário de jornalistas da TV Globo sobre PM irrita comandante da corporação SP


Ana Paula Araújo e Chico Pinheiro à frente do 'Bom Dia Brasil'

Divulgação
Rodrigo Bocardi
Na manhã desta quinta-feira (21), durante a exibição do "Bom Dia Brasil", os apresentadores Rodrigo Bocardi , Ana Paula Araújo   e Chico Pinheiro   criticaram a falta de policiamento após a exibição de uma matéria sobre roubos a padarias no Estado de São Paulo. "Chico, vai ver que os donos dessas padarias não estão dando ali o cafezinho e o pão com manteiga que a gente sabe que os policiais (pegam) para ficarem ali fazendo aquele patrulhamento, né?", disse Bocardi. Ana Paula respondeu: "É, você vê que no caso de Uberlândia, aquela triste imagem do comerciante atrás das grades literalmente e a apenas duas quadras de um Batalhão da Polícia Militar. Inacreditável". Chico Pinheiro completou a observação dos colegas. "Foi uma coisa seríssima. Não é possível que estes estabelecimentos tenham que fazer agrados a policiais para que o trabalho funcione. Isso não é tolerável, isso não é admissível". "Não é aceitável mas é o que acontece muitas vezes", finalizou Ana Paula.

Em comunicado publicado na página da Polícia Militar do Estado de São Paulo no Facebook, o coronel Benedito Roberto Meira , comandante geral da corporação, repudiou os jornalistas e admitiu a inteção de levar o caso à Justiça. "Vamos entregar a cópia do vídeo aos advogados da entidades de classe para análise do conteúdo e avaliação das medidas judiciais cabíveis ao caso", avisou.
Leia abaixo o comunicado na íntegra:


"A Polícia Militar é uma Instituição séria, que presta um inestimável e relevante serviço em prol da sociedade, muitas vezes desempenha atividades afetas a outras esferas do governo e atua 24 horas por dia.
Reconhecemos que temos falhas, que nossos policiais cometem falhas, que não somos perfeitos em tudo que dispomos a realizar, aceitamos as críticas, pois é por meio delas que conseguimos corrigir as inconformidades ou eventuais falhas.
Não posso me calar, na condição de Comandante Geral da PM de São Paulo, diante de tanta desconsideração por parte dos apresentadores. Eles podem não aceitar/concordar com os argumentos apresentados pela Polícia Militar em razão da matéria exibida, mas não podem macular a imagem de toda Corporação ao insinuarem que para se ter segurança basta oferecer um "cafezinho e o pão com manteiga" em troca de policiamento nos estabelecimentos comerciais.
Vamos entregar a cópia do vídeo aos advogados da entidades de classe para análise do conteúdo e avaliação das medidas judiciais cabíveis ao caso.
À nós, Policiais Militares, honestos e íntegros, só nos resta lamentar. Respeito é sinônimo de educação."
Fonte: http://gente.ig.com.br

quinta-feira, 14 de novembro de 2013

STF publica decisão que permite emitir ordens de prisão do mensalão



O Supremo Tribunal Federal (STF) publicou no fim da tarde desta quinta-feira (14) o resultado do julgamento realizado na véspera, no qual o tribunal determinou a prisão imediata de parte dos condenados no processo do mensalão, entre os quais o ex-ministro José Dirceu, o deputado José Genoino, o ex-tesoureiro Delúbio Soares e Marcos Valério, apontado como "operador" do esquema.
 
A publicação confirma a proclamação do resultado, feita sempre após o julgamento, e possibilita a expedição dos mandados de prisão.
 
A assessoria do presidente do Supremo e relator do processo do mensalão, ministro Joaquim Barbosa, ainda precisa conferir os réus que poderão ser presos de imediato. O momento em que serão expedidos os mandados de prisão será decidido por Barbosa.
 
Alguns ministros estavam em dúvida sobre se o resultado da sessão de quarta-feira, que determinou as prisões, havia sido realmente proclamado, ou seja, oficializado. Com a confirmação, os mandados podem ser expedidos.
 
O texto afirma que, "por unanimidade", os ministros decidiram pela "executoriedade imediata" das penas "que não foram objeto de embargos infringentes".
Além disso, "por maioria", eles decidiram que não podem ser executadas "as condenações que já foram impugnadas por meio de embargos infringentes".
 
Mandados de prisão
Há possibilidade de o presidente do Supremo expedir um único mandado de prisão, coletivo, para facilitar os trabalhos. Dessa forma, a Polícia Federal cumpriria os mandados por meio de suas regionais.
 
A PF terá de informar ao STF que o mandado de prisão foi cumprido e depois transferir os presos de outros estados para Brasília, onde deverão ficar inicialmente detidos.
A Vara de Execuções Penais de Brasília também será informada, porque ficará responsável pela execução das penas – deverá decidir sobre progressão da pena, local de cumprimento (eventual transferência para outros estados), eventuais indultos ou trabalho externo.
 
Em Brasília, os presos poderão ser levados para o presídio da Papuda ou para a sede da Polícia Federal. Depois, o juiz da Vara de Execuções Penais de Brasília, que será responsável por executar a pena, decidirá sobre eventuais transferências para presídios de outras cidades ou trabalho externo dos presos, no caso dos condenados a cumprir a pena em regime semiaberto.
 
Julgamento de recursos

 Depois de muita discussão e dúvidas entre os próprios ministros, o Supremo entendeu que os réus terão de iniciar o cumprimento da pena pelos crimes dos quais não recorreram por meio dos embargos infringentes (tipo de recurso que pode ser impetrado por condenados que obtiveram pelo menos quatro votos favoráveis no julgamento).

Os ministros entenderam que, mesmo que o réu não tenha obtido quatro votos favoráveis, é preciso avaliar antes a validade do recurso. Os infringentes só serão julgados no ano que
 

domingo, 20 de outubro de 2013

Polícia Federal apreende 500 quilos de cocaína




Cerca de 500 quilos de cocaína foram apreendidos na noite de ontem pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) em parceria com a Polícia Federal, em Ananindeua. Quatro pessoas foram presas após denuncia anônima de que três carretas que vinham em comboio de Belo Horizonte transportavam a droga.

A polícia recebeu a denúncia de que uma das carretas era vermelha e que ela pararia em um posto no Km 3 em Ananindeua. De acordo com a Polícia Federal, essa é a maior apreensão desse tipo de droga feita este ano no Brasil. “Essa substância é o cloridrato de cocaína, dificilmente comercializada no Brasil. Por isso, nós acreditamos que ela seria exportada para a Europa”, explica o delegado da Polícia Federal, Ualame Machado.

Os motoristas que transportavam a droga afirmaram para a polícia que iam receber em torno de R$ 20 mil pelo transporte concluído da carga. “Eles foram contratados exclusivamente para fazer este serviço. A droga estava toda camuflada em apenas uma carreta. Os nossos cães farejadores identificaram o material assim que começamos a vistoria”, afirmou o delegado.

Fonte:  http://www.diarioonline.com.br 

terça-feira, 3 de setembro de 2013

PEC300: Major Fábio comunica resultado da reunião sobre A PEC 300







Da tribuna da Câmara Federal o deputado Major Fábio (DEM-PB) comunicou aos policiais e bombeiros militares de todo o Brasil a realização de uma reunião com o presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves, para discutir a votação em segundo turno da PEC 300, proposta que cria o piso salarial nacional da categoria.
-O presidente desta Casa chamou para si a responsabilidade de manter contato com os governadores e buscar um consenso para a votação do piso nacional dos policiais. Está no programa de Governo da presidenta Dilma o piso nacional; é uma PEC do senador Renan Calheiros, presidente do Senado Federal, discursou o Major Fábio.
Ele disse que a categoria que arrisca sua própria vida em defesa da sociedade, quer apenas um piso nacional. “Não é mais admissível que um policial do Rio de Janeiro ganhe R$ 1.300 reais, um brigadiano do Rio Grande do Sul ganhe R$ 1.400 reais. Os policiais e os bombeiros do Brasil querem um piso nacional. É isso o que eles querem”, conclamou.
O parlamentar paraibano explicou que PEC 300 não estabelece mais valores, mas, apensada à PEC 446, do senador Renan Calheiros, estabelece a criação de um piso nacional para policiais e bombeiros de todo o Brasil.

Fonte:  http://www.policialbr.com

quarta-feira, 21 de agosto de 2013

Henrique Alves vai buscar apoio dos governadores para aprovar a PEC 300

O presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves, se reuniu nesta quarta-feira com deputados, bombeiros e policiais civis e militares para discutir a votação em segundo turno da PEC 300/08, que estabelece novas regras para o piso salarial desses trabalhadores.
De acordo com o presidente da Confederação Brasileira de Trabalhadores Policiais Civis (Cobrapol), Jânio Bosco Gandra, o presidente da Câmara disse que vai se empenhar para buscar o apoio dos governadores para a proposta. O principal impacto da PEC, caso aprovada, recai sobre os orçamentos dos estados.

Também ficou acertada uma reunião do grupo de trabalho que acompanha as negociações para o dia 17 de setembro, quando poderá ser definida uma agenda para a votação da PEC. A proposta foi aprovada em primeiro turno pelo Câmara, em 2010.

Reuniões às quartas

O coordenador da Frente Parlamentar de Apoio à PEC 300/08, deputado Otoniel Lima (PRB-SP), também 3º vice-presidente da Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado, disse que ficou acertada a realização de reuniões semanais do grupo de trabalho com o presidente da Câmara, às quartas, a fim de avaliar os avanços gradativos da negociação.


Segundo Otoniel, os estados que são contra a PEC “têm que justificar os motivos para se oporem à sua aprovação e se entender com os seus respectivos deputados”.
Otoniel lembrou também que os parlamentares do grupo de trabalho participaram da reunião de lideres pela manhã e reafirmaram que a invasão do Plenário da Câmara, ocorrida ontem, não caracteriza a conduta e o comportamento dos policiais e dos bombeiros. “Policiais devem conter manifestações e não, fazê-las.”

Fonte:  http://www2.camara.leg.br/camaranoticias/

terça-feira, 20 de agosto de 2013

Manifestantes invadem plenário da Câmara dos Deputados

Policiais militares, civis e bombeiros de vários estados que já tinham ocupado o Salão Verde da Câmara dos Deputados em manifestação pela votação da PEC 300, que cria um piso nacional para a categoria, invadiram o plenário da Casa no final da tarde desta terça-feira (20).
Assim que ocorreu a invasão, o deputado Simão Sessim (PP-RJ), que presidia a sessão, encerrou os trabalhos. Parte dos manifestantes se sentou nas poltronas reservadas aos parlamantares.

Em seguida, o presidente Henrique Eduardo Alves assumiu o comando da mesa e fez um apelo para que os manifestantes deixassem o plenário. Ele propôs criar um grupo de trabalho para discutir até 16 de setembro a proposta de emenda constitucional. Ao final do trabalho desse grupo, a Câmara decidiria se leva a proposta à votação em segundo turno.
Alves se irritou com as manifestações em plenário e ameaçou retirar a proposta de criação do grupo de trabalho. Mesmo assim, os policiais permaneceram no plenário.

"Esse tipo de comportamento não é respeitoso, nem democrático”, disse Alves. “Estou falando a pessoas sérias e responsáveis. Faço apelo a deputados que se dizem representantes dessa classe, porque eu não vou pautar essa matéria [...]. Faço apelo pela retirada dos senhores de forma educada e respeitosa”, disse.
Depois, deputados com vínculo com a categoria passaram a pedir aos manifestantes que deixassem o plenário.
Estudantes de medicina e de outras profissões da área de saúde que prostestavam contra e a favor dos vetos ao projeto do Ato Médico aproveitaram o tumulto para também entrar no plenário, mas se mantiveram ao fundo do recinto.
Cerca de 20 minutos depois de iniciado o tumulto, a maioria dos manifestantes já tinha deixado o plenário.
Henrique Alves disse ter ficado “surpreso” com a invasão do plenário. Ele disse que entende o “emocionalismo” dos policiais, mas afirmou que as dificuldades da categoria não justificam a medida. “Não é desse jeito que se convence o plenário a votar”, declarou.
“Eu me surpreendi com essa atitude que não engrandece, não ajuda o entendimento de nenhum voto dos parlamentares”, disse.

Fonte: http://g1.globo.com


segunda-feira, 19 de agosto de 2013

Secretária nacional de Segurança Pública é assaltada em São Paulo


A secretária nacional de Segurança Pública, Regina Miki, foi assaltada na tarde deste domingo (11), no bairro de Eldorado, em Diadema, no ABC. De acordo com a Polícia Civil, ela estava de carro na companhia de um segurança, um policial militar, quando foi abordada por quatro homens em duas motos.
 
Eles fugiram levando a bolsa da secretária, com objetos de valor, como uma caneta de cristais Swarovski e joias. O crime aconteceu por volta das 14h30.
De acordo com a Secretaria Nacional de Segurança Pública, na bolsa tinha um celular com rastreador, que possibilitou a recuperação dos pertences. Mais tarde, a policiais localizaram os objetos roubados em uma casa abandonada na Rua Bituva, também na região do Eldorado.
Ninguém ficou ferido no assalto. O caso foi registro no 1º Distrito Policial de Diadema. Regina Miki já foi secretária de Defesa Social do município.
 Fonte:  http://gednildo.blogspot.com.br

domingo, 23 de junho de 2013

A hora do perigo ou a hora do avanço real?

“O desafio do Estado e da sociedade como um todo é conseguir evitar que nesse processo, quando gradualmente diminuir a presença da classe média, o lumpesinato e o tráfico não venham a ocupar o espaço e levar o protesto para o campo do saque e da violência, inclusive da bélica”
Na quinta-feira (20), ao comemorar a sua vitória em relação ao recuo no aumento de 20 centavos das tarifas de ônibus, o movimento pode ter chegado ao seu auge, em termos de mobilização e ter iniciado um descenso que poderá ser mais ou menos demorado, mais ou menos organizado e mais ou menos pacífico (ou violento…).
A grande questão será gerir o descenso de massas, sempre inevitável,  deixando algum acúmulo de organização e de um mínimo de conteúdo programático, de medidas concretas, factíveis.
O desafio do Estado e da sociedade como um todo é conseguir evitar que nesse processo, quando gradualmente diminuir a presença da classe média, o lumpesinato e o tráfico não venham a ocupar o espaço e levar o protesto para o campo do saque e da violência, inclusive da bélica.
Episódios sintomáticos já ocorreram. A situação da periferia de São Paulo, com o PCC à espreita, é particularmente perigosa. No Rio pode vir um “troco” pelas UPP e pela expulsão do tráfico de parte das favelas. Todo cuidado é pouco.
Política e corrupção
Quanto ao impacto, de curto prazo, de tudo que acontece na política institucional, não consigo ser muito otimista. O sistema de partidos é dominado pela cultura clientelista-assistencialista-fisiológica que emana do nosso sistema eleitoral hiper-individualizado.
Os partidos que tentaram se diferenciar disso, a partir dos anos 80, como o PT e o PV, fracassaram nesse propósito. Foram “fagocitados” pela cultura política emanante do sistema eleitoral ao terem que se abrir em demasia para buscar o “quociente eleitoral” ou, no caso do PT, para consolidar-se no poder cooptando quem comandava os currais e os grotões.
Atuei intensamente na comissão de reforma política relatada pelo Henrique Fontana propondo o “voto distrital misto plurinominal”, mas nem isso nem nada mais sobreviveu ao bloqueio liderado pelo líder do PMDB, Eduardo Cunha.
A reforma política “pariu um rato”, um casuísmo: o projeto de Lei Edinho Araujo feito para prejudicar a criação da Rede, do  Solidariedade e da fusão PPS/PMN, a Mobilização Democrática.
“Abaixo a corrupção” é fundamental, mas se desdobra no tempo e dependerá de um funcionamento melhor de diversas instituições.
Não há medida de curto prazo capaz de lancetar o abscesso da corrupção na forma expedida que parece emanar da indignação: uma denúncia na mídia seguida de julgamento pelas redes sociais e linchamento em praça pública. Isso poderá aplacar a sede por bodes expiatórios, mas não vai melhorar o padrão ético do país nem mexer numa cultura de Lei do Gerson que vai muito além dos “políticos”.
Acaso os “políticos”, em particular os parlamentares atuais, vieram de Marte? Cairiam do céu? Ou foram eleitos por alguém?
“Saúde-educação” para além do enunciar
“Saúde”, “educação”!!! Quem tiver uma “bala de prata” ou um atalho, que exponha esse deus-ex-machina. Pessoalmente não conheço!
Na educação, vejo o nó górdio na má qualidade do ensino secundário e na necessidade de manter os adolescentes pobres na escola. É preciso urgentemente melhorar a qualidade do ensino nos três níveis.
Na saúde, os hospitais são um sorvedouro sem limite e a grande questão é reduzir a pressão da demanda sobre eles mantendo as pessoas saudáveis.
Com saneamento básico (mais de 90% das internações provêm de doenças de veiculação hídrica), promoção da alimentação saudável e balanceada, prevenção de acidentes e uma medicina preventiva eficaz: a ampliação da Saúde da Família.
Nisso tudo poderá haver avanço, mas, não nos iludamos, ele será lento.
Ao ouvir o discurso tradicional de esquerda parece que a solução seria, simplesmente, alocar mais verbas e aumentar salários. Infelizmente isso, por si só, não resolve o problema da qualidade do ensino e do atendimento.
É preciso melhorar essa qualidade e para tanto poder remunerar a qualidade de forma diferenciada.
Dá para avançar na mobilidade urbana!
Lá onde dá para avançar mais longe e mais rápido é justamente lá onde tudo isso começou: na mobilidade urbana.
– Parar de subsidiar a compra de carros e priorizar obras para o automóvel.
– Usar esses recursos no transporte de massas e coletivo.
– Aumentar o tempo de validade do bilhete único para 3 horas.
– Multiplicar investimentos em BRT, BRS, VLT, transporte hidroviário, ciclovias e oferta de bicicletas.
– Instituir a taxa de congestionamento com pedágios eletrônicos em horários e trechos intensamente demandados.
– Acabar com o subsídio da gasolina e instituir, gradualmente (compensando socialmente), a taxa de carbono em substituição a outros tributos (para não aumentar a carga tributária).
Enfim, o movimento pode terminar melhor exatamente lá onde começou lutando por esses pontos concretos e factíveis.

sexta-feira, 14 de junho de 2013

MPF desmente história de senador sobre ameaças

É como diz o velho ditado popular: é mais fácil pegar um mentiroso que um coxo. O Ministério Público Federal (MPF) no Pará divulgou nota ontem informando que não realizou qualquer contato com o senador Mário Couto (PSDB-PA) ou com sua assessoria para alertar sobre suposta ameaça de morte feita contra o senador-bicheiro.

Segundo notícia veiculada pela Agência Senado no último dia 5 e reverberada com pompa e manchete pelo jornal porta-voz do “Mister M” de Cuiarana, o senador afirmou em plenário ter sido avisado pelo MPF de que está sob ameaça de morte. Para confirmar a notícia, o MPF entrou em contato com o gabinete de Couto. Acuado e mais uma vez pego na mentira, o tucano respondeu dizendo que o alerta citado teria partido do Ministério Público do Estado do Pará (MP/PA).

Segundo o MPF, a assessoria do senador encaminhou ao MPF uma cópia de um documento do MP/PA de maio de 2007 com depoimento de uma testemunha que afirma ter tomado conhecimento de um plano para assassinar o senador e outras pessoas.

Só que, aos berros na tribuna no Senado, Couto afirmou que estava sendo ameaçado de morte desde que começou a atacar os veículos da RBA, que vêm apresentando as denúncias de corrupção contra o senador. Agora se vê que a montanha pariu um rato e o senador foi pego em flagrante em mais uma bravata.

Aliás, Mário Couto confirma a fama de criador contumaz de factoides e de denúncias vazias. Depois de ter seus bens e os de sua filha, Cilene Couto bloqueados pela Justiça com base nas provas coletadas pelo Ministério Público decorrente das fraudes milionárias durante sua gestão na Assembleia Legislativa (AL), que resultaram em desvios na ordem de R$ 13 milhões, Mário Couto investiu contra o juiz Elder Lisboa, responsável pelo caso e pelo bloqueio.

Em novembro do ano passado, logo depois da decisão, Couto usou a folha dos Maiorana – sempre ela - para divulgar gravações que mostravam uma suposta tentativa de extorsão feita pelo advogado Paulo Hermógenes em nome de Lisboa.

Segundo o senador, o juiz teria pedido R$ 400 mil para livrá-lo das ações envolvendo as fraudes na AL. Couto até hoje não apresentou as gravações que disse ter à Justiça e o episódio foi visto como uma tentativa de intimidar o juiz que recebeu apoio de entidades de classe como Associação dos Magistrados do Pará.
Na época, a entidade que representa os juízes do Estado afirmou que a denúncia tinha “nítido caráter vingativo, natural de pessoas que sofrem imposições coercitivas de um Poder Judiciário que não se vincula a cargos ou interesses escusos, especialmente supondo-se inatingíveis por mandatos”.

BENS

Hoje, parte do bloqueio de bens permanece. O senador pode movimentar apenas a conta do Banco do Brasil em que recebe o salário do Senado que deve ser usado para as despesas básicas como alimentação. Todos os outros bens móveis e contas correntes permanecem bloqueados. O objetivo é impedir a transferência para terceiros e, com isso, garantir que, em caso de condenação, o senador possa ressarcir os cofres públicos.

A deputada Cilene Couto, não custa lembrar, atuou como parceira do pai, senador Mário Couto, durante sua gestão na presidência da Assembleia Legislativa entre os anos de 2004 e 2007, quando ocorreu um dos maiores escândalos de corrupção do parlamento estadual em muitos anos: o caso Tapiocouto.

Pelo menos onze processos licitatórios teriam sido fraudados no período acarretando, segundo o Ministério Público do Estado, nos R$ 13 milhões desviados. Quem presidia na época o controle interno da casa, cuja função principal é fiscalizar as contas e prevenir ações ilícitas, incorretas ou impróprias que possam gerar dano ao erário era justamente Cilene Couto: a filha controlava as ações do pai. Para completar, outro filho do tucano atuava na auditoria. Tudo ficava na cozinha de casa.

Havia ainda desvio através de fraude na folha de pagamento. Além de manter os filhos fiscalizando seus atos, nomeou o amigo e braço direto, Sérgio Duboc, como diretor financeiro da AL, controlando todo o esquema. Duboc foi indicado por Mário Couto para a diretoria-geral do Departamento Estadual de Trânsito (Detran), de onde saiu em meio ao escândalo da AL, tendo inclusive a sua prisão preventiva decretada.

Servidores voltam a fazer manifestação 

Servidores do Detran/PA realizaram um novo ato, na manhã de ontem, em frente a sede do órgão. A manifestação foi em defesa do serviço público de qualidade. Hoje, os servidores voltam a se mobilizar, na Praça do Operário, em São Brás.

Ontem, os servidores voltaram a denunciar problemas que enfrentam no Detran. “Estamos apontando as mazelas como o sucateamento do órgão, a falta de condições de trabalho, de material. Isso acontece principalmente no interior do Estado. Continuamos recebendo ligações de servidores falando sobre isso. Estamos vivendo um momento ruim, o dinheiro está saindo, mas não é para a modernização do Detran”, afirmou Elison Oliveira, presidente do Sindicato dos Servidores do Detran/PA (Sindetran).

Ontem, a Justiça estadual considerou irregular a decisão do sindicato em paralisar as atividades programadas para os dias 12, 13 e 14 de junho. A liminar foi concedida pelo juiz titular da 2ª Vara de Fazenda da Capital e fixava multa de R$20 mil por cada dia em que a medida fosse descumprida.
Elison recebeu a notificação, mas afirmou que o órgão ficou paralisado apenas um dia. “Decidimos paralisar só ontem (quarta-feira) para ir à Alepa (Assembleia Legislativa), disse. 

ATO

Segundo Elison, os servidores se revezaram para participar do ato e não comprometer os atendimentos. A assessoria de comunicação do Detran informou que os serviços estavam mantidos e que não houve paralisação nos atendimentos.

A manifestação de hoje ocorrerá a partir das 10h, na Praça do Operário. Os servidores farão uma caminhada pelas ruas de São Brás. “Esse protesto será para reivindicar direitos, uma luta pela qualidade do serviço público. Entre as reivindicações estão o PCCR (Plano de Cargos, Carreiras e Remunerações), realização de concurso público e a moralização do Detran”, disse .


No próximo dia 23, ocorrerá um ato unificado dos servidores públicos estaduais, também em defesa da qualidade do serviço público. Além do Sindetran, mais sete sindicatos já confirmaram participação. O ato será a partir das 9h, na Praça da República.

Fonte: http://diariodopara.diarioonline.com.br

sábado, 25 de maio de 2013

Secretário e Capitão Wagner descartam nova greve na PMA



 Secretário e Capitão Wagner descartam nova greve na PMApesar de concordarem sobre ausência de clima para greve, Francisco Bezerra e Capitão Wagner trocaram críticas e e reforçaram denúncias de desvios na PM. O governador criticou "politização" do tema e se desvinculou das falas de Ciro
Principais personagens da polêmica envolvendo as corporações militares do Estado, tanto o secretário da Segurança Pública, Francisco Bezerra, quanto o vereador Capitão Wagner Sousa (PR) descartaram ontem possibilidade de nova greve da Polícia e Bombeiros neste ano. O parlamentar preside Associação dos Profissionais de Segurança Pública (Aprospec). Entretanto, apesar da concordância pontual, os dois voltaram a trocar acusações e reforçaram denúncias de desvios na PM do Ceará. Quebrando silêncio sobre o assunto, o governador Cid Gomes criticou “politização” da segurança.
Mesmo com a tensão evidente, Capitão Wagner afirmou que não existe “clima” para nova paralisação dos policiais em 2013. “Não há clima de greve. Há sim muita insatisfação, porque o governo não negocia e persegue pessoas ligadas ao movimento, mas a vontade geral é de trabalhar”.
A declaração ocorreu na manhã de ontem, durante entrevista em que Wagner rebateu denúncias do ex-governador Ciro Gomes (PSB) - que acusa o vereador de chefiar milícia ligada a narcotraficantes na PM. Negando qualquer relação com criminosos, o parlamentar acusou Ciro de tentar “desviar o foco” dos índices de violência do Estado e anunciou que tentará CPI na Câmara para apurar o caso e disse já ter 13 das 15 assinaturas necessárias. “O que existe na PM é grupo de extermínio ligado a gente do governo, e isso eu denunciei primeiro. (...) Se existe milícia, que se investigue a fundo, porque isso só provará minha inocência. O que o Ciro quer é desviar a atenção dos péssimos índices de segurança”, diz.
Nesta semana, ao menos nove militares ligados aos grevistas, entre eles dois presidentes de associações, foram demitidos. Classificando os atos como perseguição política, Wagner ironizou “ausência” de Francisco Bezerra na crise. “Devem ter dito ‘fale mais não, porque o que você disse até agora só atrapalhou’”.
Facção política
Em entrevista no mesmo horário da fala de Wagner, Bezerra foi mais enérgico ao rejeitar hipótese de nova greve. “Boato de greve é uma coisa suja, propagada pela oposição, com o único intuito de desestabilizar a segurança pública”. Ele criticou ainda a participação de Wagner em ato das mulheres de PMs que tentou bloquear a saída de policiais encarregados da segurança da partida entre Ceará e Fortaleza. “Como é que um parlamentar, eleito pelo povo, se reúne para destruir uma ação social?”, disse. O secretário afirmou ainda que irá “se envolver pessoalmente” em qualquer situação que coloque a segurança pública em risco. “Não aceitaremos nenhum gesto de indisciplina dentro da corporação militar”.
Diplomático, Cid se desvinculou das acusações do irmão e condenou “politização” do tema. “O Ciro fala pelo Ciro. Eu falo por mim. E penso o seguinte: misturar política com segurança não é um negócio bom”. (colaboraram Bruno Pontes e Lusiana Freire)
Saiba mais
Capitão Wagner criticou ainda “incoerência” da Assembleia sobre as denúncias de Ciro Gomes: “Denúncias de Eudes Xavier de espionagem foram descartadas, mas calúnias de Ciro contra mim ganham respaldo”.
O vereador disse ainda que acionará os deputados Osmar Baquit e Patrícia Saboya na Justiça. Os dois repercutiram as denúncias de Ciro.
Sobre o vídeo em que apareceria dando suporte a ato de esposas de PMs, Wagner se disse vítima de manipulação. “Guardei camisetas pois elas não tinham onde guardar”.
Opositores Lúcio Alcântara e Roberto Pessoa (ambos do PR) estavam na Mesa da cerimônia de ontem. (O povo online).

domingo, 21 de abril de 2013

STF vai gastar R$ 90 mil para reformar banheiros de Barbosa


R$ 90 mil. Esse é o valor da reforma dos quatro banheiros do apartamento funcional
que o presidente do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa, vai ocupar a partir de julho. O imóvel é mais amplo, com 523 metros quadrados e fica localizado na mesma região do que ele já ocupa, na Asa Sul, em Brasília. A futura residência do ministro tem cinco quartos, quatro salas, biblioteca e adega e era ocupada ate o final do ano passado pelo ministro Ayres Britto, que se aposentou em novembro.

Do total da obra, R$ 78 mil 



serão pagos à empresa que venceu um pregão eletrônico na semana passada e outros R$ 12 mil sairão de contratos com outras empresas já em andamento, na instalação de vidros, espelhos e uma banheira, que será adquirida, segundo o STF, com recursos próprios de Barbosa.

O primeiro valor, vale ressaltar, equivale ao custo total da construção de uma residência de 32 metros quadrados do programa Minha Casa Minha Vida.
O edital do pregão prevê a aquisição de 23 peças em mármore e granito por R$ 15,5 mil.

Um terço desse valor irá para uma prateleira e uma bancada. Assento e tampo dos quatro vasos sanitários custarão R$ 396 cada.

Discurso de contenção

Na presidência do STF e do CNJ, Barbosa adota um rigoroso discurso de contenção de despesas do Judiciário.

Na semana passada, envolveu-se em polêmica com entidades de juízes, ao criticar gastos desnecessários com a criação de Tribunais Regionais Federais.

Segundo o STF, a reforma será feita por conta do "desgaste pelo tempo de uso". A corte nega que tenha partido de Barbosa a ordem para a reforma, mas não apontou o responsável pelo lançamento do edital, ocorrido durante a atual gestão.

De acordo com a assessoria, a exigência de materiais de "primeira qualidade, sem manchas, defeitos ou imperfeições" foi feita "para evitar o fornecimento de materiais inadequados ou de qualidade duvidosa".

*As informações são do jornal Folha de S. Paulo
Nota originalmente postada às 15h do dia 20

Fonte:http://bocaonews.com.br 

Marco Feliciano tem agenda própria, alerta igreja

Integrantes da Igreja Presbiteriana Unida do Brasil entendem que presidente da Comissão de Direitos Humanos tem direito de exercer o cargo, mas não possui condições políticas para isso. Lamentam também “despreparo teológico” do parlamentar



O Conselho Coordenador da Igreja Presbiteriana Unida do Brasil (CC-IPU) divulgou nesta sexta-feira (17) pronunciamento criticando a postura do deputado PastorMarco Feliciano (PSC-SP) no comando da Comissão de Direitos Humanos e Minorias (CDH) da Câmara. Para os religiosos, o parlamentar paulista tem “agenda própria”, defendendo um grupo restrito de brasileiros.
“[A IPU alerta] que o deputado Marco Feliciano defende uma agenda política própria, que interessa a um grupo restrito de brasileiros, muitos deles denominados evangélicos. […] embora qualquer deputado tenha o direito de exercer a presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorias, [a IPU] considera-o sem condições políticas para o pleno exercício deste cargo”, diz o pronunciamento.
Além disso, lamenta o “despreparo teológico” de Feliciano. É uma crítica a uma afirmação dada pelo deputado, que é pastor da Assembleia de Deus Ministério Tempo de Avivamento, no Twitter em 2011. Na oportunidade ele chamou negros de “descendentes amaldiçoados de Noé”. “Vergonhosamente demonstrado na sua defesa da interpretação da origem dos povos africanos e no desconhecimento e desrespeito aos direitos das minorias.”
No pronunciamento, os integrantes da IPU dizem que o cristão que aceitar o mandato político deve fazê-lo em benefício do bem comum e não por seu interesse pessoal ou de suas próprias estruturas eclesiásticas, “o que lamentavelmente não se pode verificar nas chamadas operações Sanguessuga, Entre Irmãos e Pandora, nas quais se verificou a presença de deputados intitulados evangélicos”.
A Igreja Presbiteriana Unida (IPU) é uma das cinco entidades que compõe o Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil (Conic). Também fazem parte do Conic as igrejas Católica Apostólica Romana, Episcopal Anglicana do Brasil, Evangélica de Confissão Luterana no Brasil e Sirian Ortodoxa de Antioquia.
Em duas oportunidades, o Conic pediu a saída de Feliciano do comando da comissão. A primeira vez em 10 de março, logo após a eleição do deputado paulista. Depois em 7 de abril, quando o clima contra o parlamentar se acirrou e as manifestações passaram a prejudicar os trabalhos da CDH.

Capitão da PM morre ao ser atropelado em blitz

O capitão da Polícia Militar, Edimar Lima, do 2º Batalhão, foi atropelado enquanto trabalhava em uma blitz, na noite desta sexta-feira (19), na avenida Pedro Álvares Cabral, próximo da avenida Visconde de Souza Franco, no bairro do Umarizal, em Belém. Com o impacto, o policial militar foi arrastado e morreu na hora.


informações, o motorista Herick Gomes Miranda estava dirigindo em alta velocidade e tentou fugir da blitz, o que provocou o acidente. Ele foi preso e encaminhado para a Central de Flagrantes, no bairro de São Brás.

No momento da prisão, Erick apresentava sinais de embriaguez e dentro do veículo foram encontradas garrafas de bebida alcoolica. O corpo do oficial ainda permanecia no local por volta das 23h.

Fonte: http://www.diarioonline.com.br

terça-feira, 9 de abril de 2013

PF vai investigar denúncias de Valério contra Lula

Procuradoria da República no DF protocola pedido de abertura de inquérito para apurar denúncias feitas por empresário, condenado no Supremo, contra o ex-presidente. Investigação deve começar ainda esta semana, segundo a PF


A Superintendência da Polícia Federal confirmou, nesta segunda-feira (8), que vai abrir inquérito para apurar as denúncias feitas contra o ex-presidente Lula pelo empresário mineiro Marcos Valério Fernandes, um dos condenados no julgamento da Ação Penal 470 no Supremo Tribunal Federal (STF) – o chamado mensalão. Acusado por Valério de participar do esquema de compra de apoio parlamentar, Lula não estava entre os investigados no julgamento realizado no segundo semestre de 2012, que resultou na condenação de 25 réus e na absolvição de outros 12.
Segundo a secretaria de comunicação da PF em Brasília, o pedido de abertura de inquérito foi protocolado hoje (8) pela Procuradoria da República no Distrito Federal. A partir da formalização do ofício, procedimentos de praxe serão realizados para que o inquérito tenha início, o que deve acontecer ainda nesta semana.
O pedido de abertura de nova investigação tem como base depoimento prestado por Marcos Valério à Procuradoria-Geral da República em setembro, ainda durante o julgamento daquela ação penal. Na ocasião, o empresário envolveu o ex-presidente no caso, dizendo que ele não só tinha conhecimento do esquema de compra de apoio político no Congresso, por meio de dinheiro de bancos e empresas públicos e privados, como comandava tudo à distância. Isso era possível, segundo Valério, por meio de interlocutores como o ex-ministro da Casa Civil de seu governo, José Dirceu, condenado a dez anos e dez meses de prisão em regime fechado, além do pagamento de multa de R$ 676 mil por corrupção ativa e formação de quadrilha.
Portugal Telecom
Em nota divulgada na última sexta-feira (5), a Procuradoria informou que a investigação vai ser dirigida a um suposto repasse de R$ 7 milhões da Portugal Telecom, em Macau, na China, ao PT, por meio de contas no exterior. O empresário acusou Lula de ter participado das negociações com o então presidente da Portugal Telecom, Miguel Horta. A Procuradoria solicitou diligências à PF para identificar a data do encontro citado por Marcos Valério.
No sábado, por meio de nota, Dirceu criticou a posição da Procuradoria e disse que o mensalão sequer existiu, e que não há elemento que justifique nova apuração sobre o caso. Para o ex-ministro, não há “qualquer prova” da existência do esquema e o próprio Supremo já se manifestou contrariamente à abertura de investigações para apurar as denúncias feitas por Marcos Valério contra Lula.

PM do Pará é a segunda mais corrupta, diz pesquisa


Segundo dados da Pesquisa Nacional de Vitimização 2012, encomendada pelo Ministério da Justiça e pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, o Pará aparece em segundo lugar no ranking dos Estados em que a população afirma já ter sido vítima de extorsão praticada por Policiais Militares.
Das 2.516 pessoas ouvidas no Estado, 133 (5,3%) contaram que já foram surpreendidas por policiais corruptos. No Amapá, considerando a proporção do público ouvido, 5,3% dos entrevistados também disseram que já precisaram abrir a mão para PMs. Segundo o estudo, o Rio de Janeiro lidera o ranking, com 7,2% dos entrevistados assumindo que já foram abordados por policias fora-da-lei. 

Segundo a assessoria de comunicação do Ministério da Justiça, os dados se referem a uma pesquisa mais ampla, que deverá ser divulgada em cerca de dois meses. O DIÁRIO teve acesso à prévia do estudo. No Brasil, 78 mil pessoas participaram da pesquisa. Dessas, 2.047 (2,6%) contaram que já foram vítimas de extorsão. O Pará responde por 60% dos 220 casos identificados na região Norte. Em âmbito nacional, a pesquisa revela ainda que 61,3% dos entrevistados acreditam que os PMs fazem “vista grossa” à desonestidade dos colegas.

SEM FÉ NA POLÍCIA

Rubis Mendonça, 36 anos, funcionário público, mora em Rurópolis e já foi vítima da própria polícia. “Comprei um carro e apreenderam falando que ele tava irregular. Não liberaram de jeito nenhum. Fui atrás do antigo dono, peguei o dinheiro de volta e depois ainda liberaram o carro para o cara. Com certeza, ele vendeu de novo”, conta. Depois do episódio, Rubis assume que perdeu a fé nas forças de repressão. “Às vezes, o perigo tá na própria polícia”, fala. Já o aposentado João Olindo, 80 anos, tem uma opinião diferente. “Eles tão trabalhando todo dia pra garantir nossa segurança. Tem que ser mais valorizados”, diz.
Marco Apolo Santana Leão, advogado e presidente da Sociedade Paraense de Defesa dos Direitos Humanos (SDDH), espera que o resultado final da pesquisa venha acompanhado de alternativas para diminuir as estatísticas. “Políticas como a valorização do trabalho, o resgate da autoestima do pessoal, são medidas que contribuem para que os agentes não pensem em se corromper. Nós sabemos que não justifica, mas a situação econômica influencia nessa prática da extorsão”, comenta.

PM NÃO RESPONDE

A assessoria de imprensa da Polícia Militar do Estado afirma que 100% dos casos levados à Corregedoria Geral da PM são investigados. A assessoria, no entanto, explicou que a PM não se pronunciará até ter acesso à pesquisa na íntegra, por fonte oficial, para avaliar os critérios e parâmetros utilizados no estudo. 
Quem quiser denunciar policiais que estejam infringindo a Lei deve ir à sede da Corregedoria-Geral da PM, localizada na Avenida Magalhães Barata, número 209, Bloco A, entre 14 de Março e Alcindo Cacela, no antigo prédio da Celpa.

Fonte: http://www.diarioonline.com.br 

quinta-feira, 4 de abril de 2013

Termina 1º dia de julgamento sobre morte de casal


Terminou por volta das 22h, deta quarta-feira (3), o primeiro dia de julgamento dos acusados de planejar e executar o casal de extrativista José Claudio Ribeiro da Silva e Maria do Espírito Santo da Silva, em maio de 2011. Os trabalhos retornam amanhã (4), às 9h. Os jurados foram levados para um hotel próximo do tribunal, onde não terão contato com ninguém. José Rodrigues Moreira foi o primeiro a sentar no banco dos réus. Lindonjonson Silva foi ouvido em seguida. Ele se manteve de cabeça baixa a maior parte do tempo.

Alberto Lopes, o terceiro acusado, foi o último a ser ouvido. Ele negou a participação no crime. À tarde, Lindonjonson foi reconhecido por uma testemunha como um dos responsáveis por executar as vítimas.

MANIFESTAÇÃO

Cerca de 300 manifestantes e observadores internacionais ligados aos direitos humanos se revezavam no salão de julgamento, que tem capacidade para apenas 80 pessoas. O juiz Murilo Lemos Simão, que preside o júri, proibiu filmagens, fotografias e gravações de áudio dentro do local. A promotoria vai pedir a condenação do trio a pena máxima por homicídio triplamente qualificado, que envolveu motivo torpe, cruel - já que uma das orelhas de José Cláudio foi cortada - e recurso que dificultou ou impossibilitou a defesa das vítimas, referindo-se à emboscada.

A promotoria sustenta que o crime foi planejado e executado com frieza. Além disso, haveria provas periciais e testemunhais, inclusive com o retrato falado do criminoso, que levam à conclusão da participação do trio no crime. A primeira testemunha de acusação a ser ouvida foi a irmã de Maria do Espírito Santo, Laisa Santos Sampaio, que denunciou que a cartorária identificada por Neuza Santos que pertence a uma família bastante conhecida na região por ser dona de cartório, montou um sistema de grilagem de terra.

Disse que Neuza teria usado várias pessoas como "laranjas" e que uma delas era o acusado de ter planejado a morte dos extrativistas, José Rodrigues Moreira que chegou a comprar lotes de terra por R$ 100 mil reais. A mulher de Moreira chegou a receber um documento do Incra, dizendo que ela tinha a posse do lote que provocou o crime, mas o órgão federal desfez a transação, alegando que havia cometido um "equívoco".

FALSO TESTEMUNHO

Uma testemunha de defesa dos acusados foi acusado de falso testemunho pela promotora Ana Maria Magalhães. Ela entendeu que Jouza Pereira estava mentido em seu depoimento e pediu ao o juiz para tirar a testemunha do julgamento. Ela foi levada para uma sala e liberada em seguida.
A promotora informou que, ao final do julgamento, vai levá-la a ser julgada pelo júri pelo crime de falso testemunho.
O julgamento tem previsão de ser encerrado na noite desta quinta-feira (4).

(Antonio Santos/DOL, com informações do repórter Ednaldo Sousa/Diário do Pará – Sucursal Marabá e da Agência Estado)

Fonte: http://www.diarioonline.com.br