Pesquisar este blog

quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Comissão de Ética recomenda demissão de Lupi

Para a comissão, as explicações – ou falta de – do ministro do Trabalho com relação às denúncias contra ele são incompatíveis com o exercício do cargo. A exoneração será recomendada à presidenta Dilma



A Comissão de Ética Pública da Presidência da República recomendou hoje (30) à presidenta Dilma Rousseff a exoneração do ministro do Trabalho, Carlos Lupi, por conta das recentes acusações de desvio de verba pública e cobrança de propina feitas em sua pasta. Trata-se de uma sugestão. A decisão de demitir Lupi cabe exclusivamente à presidenta.

Por unanimidade, a comissão decidiu aplicar uma “advertência ética” ao ministro. A advertência é aplicada quando o servidor ainda está no cargo, mas não tem efeito prático. Quando o servidor não está mais no cargo, o termo aplicado é “censura ética”.
A comissão se baseou em reportagens publicadas pela imprensa. Foram levadas em conta as supostas cobranças de propina feitas por assessores do ministro a ONGs que mantinham convênios com a pasta e também uma viagem que ele fez em uma aeronave de um empresário que tinha contratos com o ministério.
O procedimento de apuração foi aberto no início do mês e a decisão foi anunciada pelo presidente da Comissão, Sepúlveda Pertence, que considerou as explicações de Lupi ao Congresso e à própria comissão como “inconvenientes a um ministro”. “[Encaminharemos à Dilma] a recomendação da comissão para exoneração do ministro do Trabalho”, afirmou Pertence em coletiva com jornalistas. As investigações contra o ministro continuam em andamento no Ministério Público e na Polícia Federal.

“Uma tiro no ministro”
Se Lupi já balançava no cargo, a decisão da Comissão de Ética o deixa em situação ainda mais desconfortável. Depois de se encontrar com a ministra das Relações Institucionais, Ideli Salvati, no Senado, o líder do governo na Casa, Romero Jucá (PMDB-RR) comentou a decisão da Comissão de Ética. Segundo o peemedebista, a ministra foi informada da decisão durante a reunião e afirmou que ainda fará uma avaliação com o governo. “Essa decisão não deixa de ser um tiro no ministro, mas não é um tiro fatal. É uma bala que é lançada no ministro, mas não é uma posição definitiva. A posição definitiva sobre qualquer ministro cabe à presidenta Dilma”, disse.

O fato é que a decisão da comissão deixa Dilma numa saia-justa. A Comissão de Ética Pública foi criada por decreto presidencial em 1999. Trata-se de um colégio de notáveis que avalia o comportamento dos servidores públicos, avaliando se seu comportamento é ou não compatível com o cargo. A comissão é vinculada à própria Casa Civil da Presidência da República.


Fonte:http://congressoemfoco.uol.com.br/noticias

Julgamento da ficha limpa é adiado

O Supremo Tribunal Federal (STF) adiou o julgamento sobre a constitucionalidade da Lei da Ficha Limpa. O julgamento estava inicalmente previsto na pauta do Supremo, mas acabou não acontecendo. A análise de uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) movida pelo …



O Supremo Tribunal Federal (STF) adiou o julgamento sobre a constitucionalidade da Lei da Ficha Limpa. O julgamento estava inicalmente previsto na pauta do Supremo, mas acabou não acontecendo. A análise de uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) movida pelo PTB contra uma artigo do Estatuto da Criança e do Adolescente acabou tomando toda a sessão. O PTB questiona, na ADI, se o governo tem autoridade para punir a transmissão de programas de rádio ou televisão fora do horário recomendado.


Para o partido, o artigo que prevê a possibilidade de multa nesses casos, violaria a liberdade de expressão. Designado relator, o ministro José Antonio Dias Toffoli proferiu um voto muito extenso, que tomou toda a tarde, a favor da ADI. Outros quatro ministros votaram também favoravelmente. Em seguida, porém, o ministro Joaquim Barbosa pediu vistas, adiando a votação.

A essa altura, com o adiantado da hora, ministros alegaram outros compromissos, e a sessão acabou suspensa. O julgamento da ficha limpa fica na pauta do STF, e pode vir a ser feito, então, na próxima semana.


Fonte:http://congressoemfoco.uol.com.br/noticias

Reunião entre militares e governo acaba sem acordo e a paralização continua

Glaucione Pedrozo


Acabou a reunião entre Governo do Estado e Militares na OAB-MA. João Alberto, representantes do Executivo na negociação, disse que não vai mais negociar o acordo com representantes de fora do Estado. Na mesa de articulação, estava o baiano Marcos Prisco, da Associação Nacional dos Praças. Ele representou os militares na reunião.

A proposta do governo era de aumento salarial de 8,5%. Os militares não aceitaram. Na sala, a portas fechadas, estavam o secretário de Projetos Especiais, Joao Alberto, Valdenio Caminha (OAB) e Mario Macieira (OAB). "O valor que o governo ofereceu tá muito aquém do que pedimos", disse o diretor da Associações dos Policiais Militares do MA, Jean Mary.

Eles querem 30%. Com a negativa, o governo fez uma nova proposta. Os militares se reuniram, discutiram e não aceitaram novamente. Mesmo assim, Mário Macieira, da OAB, diz ter havido novo avanço nas negociações. Porque eles vão analisar com a categoria e uma nova reunião, na sexta-feira, às 14h, tentará por fim ao movimento.

Pela proposta do Governo, o salários dos militares passa a ser de R$ 2240. Mas a categoria quer R$ 2260 e propuseram uma tabela cujo escalonamento salarial chegaria a R$ 3891 em 2015.

Fonte: http://www.oimparcial.com.br

MP atribui mais uma morte a ex-PM


Mais uma acusação recai sobre o ex-policial militar Rosivan Moraes Almeida. Desta vez foi o Ministério Público do Estado do Pará (MPE) que entrou com a denúncia. Ele é acusado de matar Thiago Nascimento, na noite do dia 20 de outubro de 2007. O promotor de Justiça Edson Augusto Cardoso de Souza solicitou a prisão preventiva de Rosivan na segunda-feira (28).

O CRIME

Segundo informações do próprio MPE, na madrugada do dia 20 de outubro a vítima e a esposa, que se chama Daiane de Fátima Souza, estavam dormindo na casa de Tatiane, irmã de Thiago. Foi a irmã que avisou a todos na casa que havia dois carros parados em frente da residência. Minutos depois, Rosivan, acompanhado de mais cinco homens, arrombou a porta da cozinha indagando quem era Thiago.

Todos na casa responderam que não havia nenhuma pessoa com aquele nome. Não acreditando, Rosivan imobilizou a vítima e a levou para fora da casa. Thiago foi amarrado e colocado no porta-malas do automóvel. Em seguida, Rosivan teria retornado à residência de onde teria levado um DVD, cinco pares de tênis, roupas e R$ 700,00.

NOTÍCIA

Depois de um determinado tempo os familiares de Thiago receberam a notícia de que ele estava morto com vários tiros e teria sido encontrado no bairro do Bengui com pés e mãos amarrados.

Segundo o promotor Edson Cardoso, “está provada a autoria e materialidade do crime, pois são fortes os indícios de ter sido Rosivan e comparsas os autores”. Rosivan está sendo acusado por crime de homicídio qualificado e deve ser julgado por Tribunal de Júri Popular.

Rosivan foi preso na última sexta-feira (25), como principal suspeito da chacina que deixou seis adolescentes mortos, no bairro de Ponta Grossa, no distrito de Icoaraci.

Os jovens foram obrigados a ficar de joelho e morreram com vários tiros na cabeça. Moraes já havia sido preso sob suspeita de participar de um grupo de extermínio em Belém e região metropolitana. De acordo com a Polícia Civil, esta nova acusação deve ser levada à juízo e só então constará nos autos do processo contra Rosivan.


Fonte: http://www.diarioonline.com.br/noticia

A planilha que está na mesa de negociação dos Militares do Maranhão


Desde o início dos movimento reivindicatório os militares, através das associações, elaboraram um estudo de caso. Com a ajuda de um economista eles fizeram um levantamento das perdas salariais que podem reclamar na negociação com o Governo do Estado.

Do estudo consta uma planilha. O Blog teve acesso aos dados. Esta é a planilha que está na mesa de negociações.

Juízes fazem paralisação nacional nesta quarta-feira; 20 mil audiências serão afetadas

Em protesto à falta de segurança e à desvalorização da carreira, os juízes do Trabalho de ao menos 19 Estados iniciam nesta quarta-feira (29) uma paralisação geral de 24 horas. A medida, segundo a Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra), afetará cerca de 20 mil audiências, que deverão ser remarcadas. O atendimento de casos urgentes, no entanto, será mantido.

O ato envolverá cerca de 3.600 juízes, que participarão de debates e reuniões organizados pelas associações regionais de seus respectivos Estados. A paralisação contará também com a participação dos juízes federais.

De acordo com a Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe), os atos não vão afetar ações urgentes, como de concessão de benefícios previdenciários, de fornecimento de remédios pelo Serviço Único de Saúde (SUS), bem como ações criminais.

Os juízes federais e os do Trabalho cobram aumento salarial e melhores condições de trabalho. Além da defasagem salarial, a categoria argumenta que trabalha sem garantia de segurança. De acordo com o Conselho Nacional de Justiça (CNJ), pelo menos 200 juízes estão sob ameaça de morte em todo o país.

Segundo o presidente da Anamatra, Renato Sant’Anna, o salário está defasado em quase 25%. Os juízes criticam ainda a falta de política institucional que garanta a segurança para o exercício de suas funções, bem como a ineficiência do sistema de saúde, que, segundo Sant’Anna, não previne os agravos à saúde física e mental nem prevê proteção previdenciária adequada.

Os magistrados vão enviar à Advocacia Geral da União todas as citações e intimações acumuladas desde o dia 17 de outubro, que estavam paradas para pressionar o Executivo pela liberação de recursos para o reajuste salarial dos juízes.

Na última sexta-feira (25), o presidente do do Tribunal Superior do Trabalho (TST), João Oreste Dalazen, disse que os juízes que não trabalharem poderão ter corte no salário, a exemplo do que ocorreu com os servidores em
greve.

Fonte:http://noticias.uol.com.br/cotidiano

*Com informações da Agência Brasil

MST e Quilombolas estão na Assembléia dando apoio aos militares

“Pisa ligeiro, pisa ligeiro. Quem não pode com a formiga não assanha o formigueiro”
Cântico dos Quilombolas




Um grupo de militantes do Movimento Sem Terra e de comunidade quilombolas chegaram agora na Assembléia Legislativa.

Eles entraram portando bandeiras e cantando. Foram recebidos com festa pelos militares. O grupo prestou total apoio à luta dos militares.

A Associação dos Servidores Públicos Militares do Maranhão – Asepma se comprometeu a realizar um seminário onde será elaborada uma cartilha sobre a forma de conduta dos policiais militares em conflitos agrários e urbanos.


Fonte:http://www.louremar.com.br/

terça-feira, 29 de novembro de 2011

Governo e Militares acertam os primeiros pontos do acordo para encerrar a greve


Em reunião na OAB foi criada uma comissão para negociar a crise


Às 21h - O Governo do Estado e militares deram o primeiro passo para o final da crise que está hoje no sétimo dia.


Na sede da OAB reuniram-se o senador licenciado e secretário de Projetos Especiais, João Alberto, o coronel Medeiros Filho, o presidente da OAB - Mário Macieira, o agente civil Marcelo (Sinpol) e o soldado Leite.


A sede da Ordem dos Advogados foi escolhida por ser um local neutro. A reunião que começou às 17 horas, só foi encerrada às 19h15. Houve avanços, segundo o blog apurou tanto com o secretário João Alberto quanto com os líderes do movimento dos militares.


Uma comissão será formada com 3 representantes do movimento dos militares/civis, um representante da Ordem dos Advogados do Brasil e o Secretário João Alberto, que será o presidente.


O entrave na negociação está sendo a questão do reajuste salarial. Outros pontos já foram pacificados. Falando como representante do Governo do Estado, João Alberto acertou que não haverá transferências dos militares nem qualquer outro tipo de retaliação. Os militares também não sofrerão qualquer tipo de punição disciplinar.


Os líderes do movimento estão nesse momento passando as informações para os militares que se encontram acampados na Assembléia Legislativa.


Amanhã a comissão vai reunir novamente às 15 horas.


Deputados apoiam os Militares


Além dos líderes dos militares, foram também para a OAB os deputados estaduais Zé Carlos da Caixa, Neto Evangelista e Bira do Pindaré. Eles não participaram da reunião. O acordo previa somente a presença de dois líderes dos militares, além do Coronel do Exército Medeiros Filho, do Secretário João Alberto e do presidente da OAB Mário Macieira.


Já no final da reunião chegaram os deputados Marcelo Tavares e Eliziane Gama. Eles conversaram rapidamente com Bira e Neto Evangelista para se inteirarem da situação e voltaram para a Assembléia.

MP denuncia ex-PM Rosivan Almeida por homicídio

O Ministério Público do Estado do Pará (MPE) ofereceu ontem (28) denúncia contra Rosivan Moraes Almeida, ex-policial acusado de matar Thiago Nascimento no dia 20 de outubro.O MP, representado pelo promotor de justiça Edson Augusto Cardoso de Souza, também requereu a prisão preventiva do acusado. Rosivan já está preso sob suspeita de participar da chacina que vitimou seis adolescentes no Distrito de Icoaraci.

Rosivan é acusado pelo crime crime de homicídio qualificado e deve ser julgado perante o Tribunal do Júri. De acordo com o MPE, o ex-PM invadiu a casa onde Thiago Nascimento dormia, no bairro do Benguí, e matou a vítima com vários tiros. Segundo o promotor Edson Cardoso, "está provada a autoria e materialidade do crime, pois são fortes os indícios de ter sido Rosivan e comparsas os autores".

O CRIME

O homicídio aconteceu na madrugada do dia 20 de outubro. A vítima e a esposa, Daiane de Fátima Souza, estavam dormindo na casa de Tatiane, irmã de Thiago. Eles perceberam que havia dois carros parados em frente à residência. Minutos depois, Rosivan e mais cinco comparsas arrombaram a porta da cozinha à procura de Thiago.

Os moradores responderam que não havia nenhuma pessoa com aquele nome, mas Rosivan não acreditou. Ele imobilizou a vítima e levou-a para fora da casa. Após amarrá-lo, colocou-o no porta-malas de um automóvel. Em seguida, Rosivan retornou à residência e roubou um DVD, cinco pares de tênis, roupas e R$ 700,00 em dinheiro. Além disso, o acusado foi em direção à esposa da vítima e disse: “Arruma outro marido, pois esse não volta mais”.

Depois de um determinado tempo, os familiares de Thiago receberam a notícia de que estava morto, com vários tiros e os pés e mãos amarrados.

Fonte:http://www.diarioonline.com.br/noticia

Militares divulgam comunicado

Os líderes do movimento dos militares que se encontram acampados na Assembléia Legislativa estão concedendo agora uma entrevista coletiva.


Eles distribuiram o seguinte comunicado:


Comunicado a sociedade maranhense


As entidades de classe, que representando os militares, esclarece que em momento algum se fechou o canal de negociação, o que ocorre é que o Poder Executivo até o presente momento não nomeou uma comissão com ordem expressa do Executivo para negociar.


O Governo do Estado do Maranhão no dia 8, representado pelo vice-governador do Estado, Washington Luiz, à época Governador em exercício, Presidente da Assembléia Legislativa do Maranhão – Deputado Arnaldo Melo, Procuradora Geral de Justiça – Fátima Travassos, líder do Governo – deputado estadual Manoel Ribeiro, e os líderes da bancada da Assembléia Legislativa, confiando no acordo feito, a decisão de suspender o movimento com o compromisso de até o dia 23 apresentar uma proposta salarial para a categoria,. Para a surpresa de todos, a Governadora do Estado não aceitou o acordo desrespeitando assim os Poderes constituídos inclusive o poder Executivo representado naquele momento pelo Governador em exercício. Até a presente data não houve apresentação de nenhuma proposta e o Poder Executivo não se posicionou até o momento e tem sido intransigente em não negociar. Portanto, o Governo insiste que não negocia porque o movimento foi considerado ilegal e pede a suspensão do Movimento como única alternativa para iniciar a negociação, esquecendo a mesma que o movimento já foi suspenso e o acordo foi quebrado. Sendo assim, os Policiais e Bombeiros estão dispostos a negociar a qualquer tempo durante o movimento.


Os policiais militares e bombeiros do Estado do Maranhão convidam a toda a sociedade civil organizada para apoiar os Policiais e Bombeiros e também terem conhecimento dos fatos verdadeiros e não se deixem levar pelos fatos levianos expostos pela mídia parcial e irresponsável.


Os trabalhos da Assembléia Legislativa estão sendo realizados de forma tranquil,a inclusive já houve duas sessões na casa com a presença dos militares e do presidente da Assembléia e todos os deputados. Portanto, informamos que não existe clima de insegurança na Casa, pois a ordem e o regimento da Casa Legislativa estão sendo respeitados de foram disciplinar e exemplar pelos militares e seus familiares, que em momento algum estes que aqui estão interferem na rotina da casa.


Apresentamos a toda a sociedade do Estado do Maranhão, a Comissão Oficial de negociação por parte dos Policiais Militares, Bombeiros e Policiais Civis.


Sargento Da Hora;
Sargento Jean Marry;
Cabo Deusivan;
Cabo Nascimento;
Soldado Leite;
Representação do Sinpol


Fonte:http://www.louremar.com.br/

BOLETIM DA GREVE DO MARANHÃO AS CATEGORIAS NÃO RECUAM

Deputados Estaduais em greve

O presidente Arnaldo Melo ‘não jogou a toalha’ como era cogitado desde o final de semana. Havia rumores de que ele lavaria as mãos em relação à paralisação dos militares.

Houve até quem afirmasse que ele já teria pronto um pedido de reintegração de posse. Se concedido, seria a permissão para um enfrentamento entre forças do Exército e Policiais na casa do povo, a Assembléia Legislativa.

Ontem à tarde o presidente resolveu que nenhum deputado trabalha enquanto os militares permanecerem na Assembléia Legislativa. As sessões estavam sendo realizadas normalmente, desde que os Militares acamparam na sede do poder legislativo.

Com a decisão do Presidente estão suspensas as sessões ordinárias, sessões especiais e audiências públicas.

Ao propor a decisão, o presidente da Assembléia transfere de vez a responsabilidade para o Governo. O Orçamento para 2012 precisa ser discutido e votado. Se mantivesse a Assembléia funcionando normalmente, Arnaldo poderia se expor a ter que votar o Orçamento sem que seja incluído o reajuste para os militares.

Leia mais em: AL não terá sessões plenárias até que grevistas deixem o prédio do Poder

Triste do poder que não pode

A crise da segurança pública no Maranhão que culminou com a paralisação de Policiais Militares, Civis e Bombeiros fez surgir um outro tipo de bombeiro.

Os verdadeiros Bombeiros só são heróis se tiverem água. Não é possível apagar um incêndio sem água.

Esse é o problema desse outro tipo de bombeiro que tem surgido. Coronéis que nunca se dispuseram a conversar com as entidades representativas dos militares, resolveram se apresentar na Assembléia Legislativa na noite do domingo.

Sem a percepção da realidade, preferiram dar ordens, no mesmo tom usado nas relações entre comandantes e comandados. Não fucionou.

Outros, como o presidente do Tribunal de Justiça, a Procuradora Geral de Justiça, o líder do governo Manoel Ribeiro, que até hoje não voltou de Portugal, todos bombeiros da crise.

O vice-governador, quando no exercício do cargo de Governador, também posou de bombeiro. O problema é que nenhum desses bombeiros tem água. Como apagar o incêndio que é a insatisfação da tropa? O baldinho d´água está nas mãos da Governadora.

A Governadora Roseana Sarney sempre deixou bem claro, enfatizado publicamente, que ela não tem porta-voz e que , portanto, não autoriza ninguém a falar em seu nome. O gesto das autoridades que se preocuparam em pedir pra negociar a crise é digno de louvor. Melhor que a omissão.

A nota abaixo, emitida pelo Presidente da Assembléia - Arnaldo Melo - pelo Presidente do TJ – Jamil Gedeon – e pela Procurada-Geral de Justiça – Fátima Travassos, poderia ser uma nota de desabafo pela incapacidade de serem reconhecidos como representantes de Poderes.

NOTA CONJUNTA

Nós, Deputado Estadual Arnaldo Melo, Presidente da Assembléia Legislativa do Estado; Desembargador Jamil Gedeon, Presidente do Tribunal de Justiça do Estado, e Procuradora de Justiça Fátima Travassos, Procuradora-Geral de Justiça do Ministério Público, vimos a público esclarecer a toda sociedade maranhense a iniciativa que tomamos na tarde de 28 de novembro de 2011, de mediar e por fim à greve ilegal da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros.

Fomos pessoalmente ao local em que se concentram os grevistas, nos reunimos com as lideranças locais do movimento, oportunidade em que detalhamos o quadro de completa ilegalidade em que estão imersos e sobre as conseqüências penais e profissionais a que estão sujeitos.

Asseguramos que nos prestávamos como avalista do compromisso repetidas vezes anunciado pelo Governo do Estado do Maranhão de retomar as negociações salariais com as categorias tão logo fosse cessada a greve ilegal.

Ressaltamos que é coerente a atitude do Governo do Estado de não retomar qualquer negociação enquanto perdurar a greve, pelo fato da sua completa ilegalidade.

Feitas as nossas ponderações, o comando local da greve nos pediu uma hora de prazo, tempo em que conversariam com o “comando geral”. Em menos disso nos retornaram, negando qualquer possibilidade de cessar a greve ilegal.

Lamentamos, pois, a intransigência dos que, conscientemente, ferem um direito constitucional de cada cidadão. Não é por falta de esclarecimentos de quem opera a lei que eles permanecem na ilegalidade.

Policiais de Lago da Pedra estão no quartel de Bacabal

Depois que paralisaram as atividades em Lago da Pedra, policiais daquela cidade seguiram na noite de hoje para Bacabal. Um grupo de PMs chegou por volta das 21 horas e está acampado no quartel com os demais. Para amanhã é esperado um novo grupo.

O que dizer da nota da OAB?

A paralisação dos policiais militares e bombeiros paralisaram suas atividades e acamparam no prédio da Assembléia Legislativa no dia 23.

O Estado inteiro soube disso. O País inteiro sabe disso. Durante todos esses dias houve manifestação de militares, intermediação de deputados estaduais, ataques de jornalistas aos militares através de blogs, pedido de prisão dos líderes do movimento, só não se viu um posicionamento da Ordem dos Advogados do Brasil

Hoje a Ordem resolveu se pronunciar. Numa nota, a OAB concita as partes a encontrarem uma solução. Veja a nota oficial assinada pelo presidene Mario de Andrade Macieira:

A OAB/MA, Ordem dos Advogados do Brasil – Seção do Maranhão, por sua diretoria, reunida em 28 de novembro de 2011, em defesa da sociedade maranhense e em razão da nítida lesão à segurança dos cidadãos, tendo em vista o tempo já transcorrido, vem a público, diante da paralisação realizada pelos agentes responsáveis pela Segurança Pública em nosso Estado, concitar as partes envolvidas – Governo do Estado e corporações policiais – para que, com a urgência que o caso requer, encontrem uma solução negociada para o impasse, garantindo-se o atendimento das necessidades inadiáveis da comunidade.

No presente momento deve prevalecer o equilíbrio e a boa fé, para que o Governo do Estado, de um lado, e os líderes do movimento, de outro, possam assegurar o retorno à normalidade, sem dar lugar a radicalizações indevidas.

A OAB só disse o óbvio em sua nota. Todo mundo que acompanha o caso, espera o mesmo. Poderia acompanhar de perto o desenrolar dos acontecimentos, mas prefere emitir uma nota onde não acrescenta nada.

"Primavera Maranhense": passeata de repúdio ao Governo

Do: blog do John Cutrim

O blog sugeriu e a população despertou: está marcada para esta terça-feira, dia 29, às 15h (ou 3h da tarde), em frente a Assembleia Legislativa (São Luís), a concentração para a grande passeata de protesto que pedirá a saída de Roseana Sarney do comando do governo do Estado. Muitos estudantes, jovens, mulheres e membros de movimentos sociais já confirmaram participação no ato.

Com a paralisação dos policiais militares e bombeiros, que já entra no seu quinto dia sem que haja por parte do governo nenhuma disposição de solucionar o impasse, a governadora Roseana Sarney, do alto da sua intransigência e arrogância e diante do caos e do clima de insegurança que se instalou no Estado, já deu mostras suficientes que não tem mais condições de continuar à frente do governo do estado.

Com sua eleição sob suspeita e que aguarda o julgamento da justiça, acusada de abuso de poder político e econômico, Roseana faz uma administração pífia e vergonhosa no Estado, totalmente estagnada, inoperante e desastrada. E o resultado de tamanho despreparo e incompetência não podia ser outro: o caos que se instalou em todos os setores, principalmente na saúde, educação e segurança, causando muito sofrimento, dor e angústia a população. Para quem prometeu fazer o melhor governo da sua vida, Roseana faz, entretanto, o pior governo da vida dos maranhenses.

Portanto, na grande passeata que será realizada na tarde de amanhã, terça-feira, com saída às 15h em frente a Assembléia Legislativa, todos podem levar suas camisas, faixas, bandeiras e cartazes com a palavra ‘Fora Roseana Sarney’. É hora de fazermos a ‘Primavera Maranhense’ para por fim a oligarquia mais antiga, perversa e retrógrada do país.

Na ‘Primavera Árabe’, que resultou na derrubada de vários chefes de Estado (considerados ditadores), a exemplo do ex-presidente do Egito, Hosni Mubarak, que renunciou em 11 de Fevereiro de 2011, e o da Líbia, Muammar al-Gaddafi, que foi morto em tiroteio após ser capturado no dia 20 de outubro e torturado por rebeldes, as redes sociais foram decisivas e fundamentais nesse processo.

Portanto, é necessário que todos divulguem o máximo possível a passeata através de seus facebooks, twitters, orkuts etc. aos amigos e contatos e os convidem a participar dessa manifestação que ficará na história do Maranhao. Vamos às ruas, vamos à luta, vamos à revolução! É hora de pedir e gritar ‘Fora Roseana Sarney’!

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Proposta paralela à dos militares foi protocolada hoje

Em primeira mão.

Uma proposta de reajuste salarial foi protocolada hoje no Palácio dos Leões.

É uma proposta alternativa. Amanhã divulgarei os detalhes. A proposta recebeu a numeração 20110000079664 e foi protocolada às 16 horas.


Fonhttp://www.louremar.com.br/te:









segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Divisão do Pará pode criar três Estados deficitários, diz pesquisa do Ipea

Estudos apresentados nesta segunda-feira (28) pelo Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) mostram que, em caso de separação do Pará em três Estados, no plebiscito que se realizará no dia 11 de dezembro, todos eles nascerão deficitários. Enquanto o Pará registra atualmente um superávit anual de aproximadamente R$ 300 milhões, subtraindo suas despesas da receita orçamentária, Carajás terá déficit de pelo menos R$ 1 bilhão anual, Tapajós, de R$ 864 milhões, e o Pará remanescente, de R$ 850 milhões.

Leia mais notícias no R7

De acordo com pesquisa semelhante feita pelo Idesp (Instituto de Desenvolvimento Econômico, Social e Ambiental do Pará), os déficits podem ser maiores, dependendo dos investimentos necessários em infraestrutura. Isso poderia levar a desequilíbrios financeiros e implicações para infraestrutura, equipamentos públicos e outros investimentos.

Para a técnica do Idesp Lúcia Andrade, mesmo que o Estado não seja separado, as discussões e pesquisas realizadas recentemente indicam e poderão levar a “um novo modelo de desenvolvimento”, que possibilite uma descentralização dos investimentos e das decisões de governo.

O coordenador do Núcleo de Meio Ambiente da UFPA (Universidade Federal do Pará), Gilberto Rocha, considera que a população paraense teve pouco tempo para discutir sobre seu futuro. Além disso, ele ressalta que 66% do território do Estado são compostos de terras federais, incluindo unidades de conservação, assentamentos, áreas indígenas, onde o governo estadual não tem autonomia.

.Tanto Rocha quanto Lúcia Andrade disseram esperar que, apesar do tempo reduzido para as discussões e pesquisas sobre a divisão, a metodologia usada para estudar as consequências da divisão do Pará sirva para outros casos no futuro. Atualmente, existem 23 projetos de divisão de regiões tramitando no Congresso Nacional, mais do que na época da Constituinte, em 1988, quando eram 17, segundo os pesquisadores.

No plebiscito do dia 11, sobre a divisão do Estado, os eleitores do Pará responderão a duas perguntas: a primeira, se eles são a favor ou contra a criação do Estado do Tapajós. Em seguida, os paraenses responderão se são favoráveis ou não à criação do Estado de Carajás. A ordem das perguntas foi definida em sorteio, pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral). O voto é obrigatório para quem tem título de eleitor do Pará, e os que estiverem fora do domicílio eleitoral têm o prazo de 60 dias para justificar a ausência.

Fonte:http://noticias.r7.com

Processo de deserção pode agravar crise no MA

Polícia Civil do MA decreta greve e aprofunda crise na segurança

A Polícia Civil do Maranhão decidiu na noite desta segunda-feira, em assembleia, decretar uma greve por tempo indeterminado a partir de amanhã. Será a quarta categoria de profissionais da segurança pública a parar no Estado.

Prisão de PMs grevistas no Maranhão é improcedente, diz auditor
PMs em greve invadem Assembleia e mantêm vigília no Maranhão

Após a assembleia, os policiais seguiram em passeata, pelas ruas de São Luís, até a Assembleia Legislativa do Estado, onde policiais militares e bombeiros estão acampados.

PMs, delegados da Polícia Civil e bombeiros estão em greve desde a semana passada.

O policiamento das ruas da capital do Estado e das principais cidades do interior está sendo reforçado por homens da Força Nacional de Segurança e por soldados do Exército.

Os policiais civis reivindicam a abertura das negociações com o governo do Estado para um novo plano de cargos e salários para a categoria. De acordo com os policiais civis, em abril foi acordado com o governo a criação de uma comissão para discutir o assunto.

Os policiais civis estão solidários às reivindicações dos policiais militares e bombeiros, que pedem reajuste de 30%.

Segundo lideranças do movimento, metade dos policiais civis vão manter as atividades a partir de amanhã para atender casos urgentes e flagrantes.

Metade dos delegados da Polícia Civil também estão trabalhando. Eles reivindicam do governo o envio de uma proposta de emenda constitucional para a Assembleia Legislativa reconhecendo o cargo como sendo carreira jurídica.

O governo do Estado disse que está em estudo uma proposta de plano de carreira e realinhamento salarial para todo o funcionalismo, entre eles os policias civis e militares e os bombeiros. A proposta reivindicada pelos delegados, segundo a assessoria de comunicação do governo, já foi enviada à Assembleia.


Fonte:http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano

CEL IVALDO FALA QUE A PMMA TEM QUE SER DEFENDIDA E DIZ QUE SE FOR PRESO E PARA A TROPA NÃO PARAR E QUE PASSEM POR CIMA DELE

ESTADO DO MARANHÃO PEGA FOGO MAIL UMA CATEGORIA DECIDI ENTRAR EM GREVE AGORA E OS PERITOS CRIMINAIS

SÃO LUÍS - Os peritos técnicos aprovaram greve por tempo indeterminado, a partir da quinta-feira (1º de dezembro), em assembleia geral na manhã desta segunda-feira (28). Eles deverão ser acompanhados no movimento pelos policiais civis, que fazem assembleia geral às 17h de hoje, para aprovar o indicativo de greve.

A pauta de reivindicações dos peritos é a mesma dos policiais civis, de acordo com o presidente da Associação da Polícia Técnico-Científico do Maranhão (Apotec/MA), Lúcio Cavalcante. "Queremos a incorporação da URV - índice de atualização monetária - e aprovação do Plano de Cargos, Carreiras e Salário, que já foi apresentado ao governo, mas não recebemos nenhuma resposta".

Com a paralisação, o trabalho dos peritos ficará restrito a acidentes com morte, flagrantes e ocorrências contra crianças, adolescentes e idosos.


Fonte:http://imirante.globo.com/noticias

BOLETIM INFORMATIVO ULTIMAS NOTICIAS

Militares fazem ato em frente a Assembléia



Os militares acampados no prédio da Assembléia Legislativa fizeram hoje um ato na avenida Jerônimo de Albuquerque.
Portando bandeiras do Maranhão eles tomaram a pista por cerca de dez minutos e cantaram o Hino Nacional.

Centenas de carros que passavam pelo local acionaram as buzinas numa demonstração de apoio às reivindicações dos militares.


Deputados Federais estão na Assembléia Legislativa



Os deputados maranhenses Weverton Rocha, Domingos Dutra, Waldir Maranhão e Ribamar Alves estão na Assembléia Legislativa desde as 10 horas da manhã.

Eles estão acompanhados do presidente da Comissão de Segurança e Combate ao Crime Organizado, deputado Mendonça Prado, de Sergipe. O suplente de deputado federal Simplício Araújo também integra a comitiva.



Quando chegaram na Assembléia os deputados participaram de uma plenária com os militares que estão acampados no prédio do poder legislativo. Depois reuniram por uma hora com o presidente da Assembléia, deputado Arnaldo Melo.


Nesse momento os deputados estão reunidos com os líderes do movimento.




Fonte:http://www.louremar.com.br/

Tenente da PM é preso por chacina em Icoaraci


Uma “força-tarefa”, composta por várias viaturas e dezenas de policiais, organizada pela Polícia Civil para trabalhar nas investigações da chacina que matou seis adolescentes em Icoaraci, há 9 dias, saiu às ruas de Belém, na madrugada de domingo (27), para cumprir 12 mandados de prisão de envolvidos no crime.

As viaturas, algumas descaracterizadas, saíram da Divisão de Homicídios e teriam cumprido um dos 12 mandados, com a suposta captura de um tenente da Polícia Militar, que por sua vez teria sido apontado por Rosevan Moraes Almeida, principal suspeito de comandar a matança. A informação foi fornecida por uma fonte da Polícia Civil, que pediu para não ser identificada.
Os policiais concentraram o foco da ação em Icoaraci, distrito onde os adolescentes, todos entre 14 e 16 anos de idade, foram assassinados. Apesar da ampla repercussão, até mesmo internacional, que o caso alcançou nos últimos dias, a cúpula da Polícia Civil prefere não fornecer mais detalhes, temendo vazamento de informações.

Rosevan Moraes de Almeida é ex-soldado da Polícia Militar, de onde foi expulso acusado de praticar atos ilícitos. Ele foi acusado, há 3 anos, de fazer parte de um grupo de extermínio, que estaria atuando na Região Metropolitana de Belém.

“As testemunhas da recente matança em Icoaraci, inclusive, dizem que ele (Rosevan) teria sido o autor dos disparos nas 6 vítimas”, informou a fonte policial.

Rosevan admite que passou pelo local do crime 30 minutos antes dos assassinatos, mas que, no momento das mortes, estaria na rodovia Augusto Montenegro. Ele foi encaminhado para a Penitenciária Anastácio das Neves, em Americano.

Fonte:http://www.diarioonline.com.br/policia

Ex-PM entrega outros exterminadores à polícia

Principal suspeito de ter participado da chacina que vitimou seis adolescentes em Icoaraci no último sábado, o ex-policial militar Rosevan Moraes Almeida deu uma nova versão ao depoimento inicial prestado na Divisão de Homicídios, onde o caso está sendo investigado. Rosevan, a princípio, apenas se limitava a declarar sua inocência no crime.

Pela manhã, no trajeto entre a Divisão de Homicídios e o prédio do Centro de Perícias Científicas Renato Chaves, onde iria realizar os exames de corpo de delito, o acusado comunicou aos policiais que o condu-
ziam de que gostaria de mudar seu depoimento. Até então, havia a expectativa de que o suspeito “abriria de vez o bico” e admitisse sua participação na matança.

Porém, ele continuou negando. A novidade no novo relato à autoridade policial ficou por conta das indicações, feitas por ele, de outros pistoleiros que estariam integrando grupos de extermínio que agiam nos bairros do Guamá e Terra Firme, praticando o mesmo tipo de assassinatos como os do último sábado em Icoaraci. Os novos nomes serão investigados pela polícia. O suspeito seria conduzido ainda durante à tarde para o presídio Anastácio das Neves, onde ficará recolhido.

NEGATIVA

De acordo com informações do delegado Lenoir Cunha, da Divisão de Homicídios, o suspeito não convenceu sobre sua inocência nos assassinatos. Para o delegado, todas as evidências apontam para a acusação de Rosevan Almeida. “Mesmo ele negando todas as acusações, declarando o álibi de que estava lanchando na avenida Augusto Montenegro, mais de 90% das testemunhas que prestaram depoimento à polícia sobre o caso afirmaram que o ex–PM Rosevan Almeida estava no momento do crime e teria sido ele o autor dos disparos em todas as vítimas”, disse. Havia a informação que, de 20 testemunhas, 18 apontavam o ex-PM como principal culpado da chacina.

A Polícia Civil informou que as investigações sobre o caso a partir de agora serão direcionadas a descobrir quem era o homem que estava com ele no momento da execução, dirigindo a motocicleta usada para condução e fuga do local do crime.

Suspeito voltou ao local do crime

Na última quarta-feira, 23, Rosevan Moraes esteve no local do crime sob a justificativa de que estaria ali apenas para se defender das até então supostas acusações de que ele estaria envolvido no massacre dos adolescentes de Icoaraci. Naquele momento, circulava a informação de que uma organização paralela à segurança pública estaria atuando no distrito de Icoaraci, de acordo com populares que não se identificaram por medo de represália.

Afirmavam que agentes da lei, responsáveis e pagos para trabalhar pela segurança do cidadão, estariam reforçando o tal grupo. Além de Icoaraci há suposições de um outro grupo desse no bairro do Guamá - rezava a lenda nem tão inverídica assim de que um homem chega ao local do crime em um veículo preto e faz os disparos contra as vítimas, mais de oito pessoas foram vítimas de homicídio durante os últimos dois meses.

Citado nos bastidores como um dos possíveis exterminadores, eis que surge o ex-soldado da PM, Rosevan Moraes Almeida, que aproveitou a presença da imprensa na área para tentar esclarecer algumas acusações.

“As pessoas estão espalhando por aí que eu teria matado esses rapazes. Por isso, vim até aqui para negar qualquer tipo de envolvimento nisso. Jamais faria isso próximo da minha casa, onde moro há 40 anos”, afirmou na ocasião, ao acrescentar: “Realmente, passei por aqui uns 30 minutos antes de o crime acontecer, mas na hora que os adolescentes foram mortos eu estava lanchando, longe daqui, na avenida Augusto Montenegro”.

Rosevan disse à reportagem do DIÁRIO que está afastado da corporação e aguarda um procedimento na Justiça para retomar os serviços militares. Em 2008, ele foi preso durante a operação batizada como “Navalha na Carne”, sob suspeita de integrar um grupo de extermínio com atuação na Região Metropolitana de Belém. “Fique três anos preso e fui solto porque ninguém conseguiu provar nada contra mim. Agora, o Estado deve pela injustiça que cometeu”, reforçou o ex-soldado.

Polícia cortou na própria carne

Os policiais e civis presos na operação Navalha na Carne responderam na época por crimes de cárcere privado, tráfico de drogas, extorsão praticada por servidor público no exercício de sua função (concussão), assassinatos, tráfico de armas, formação de bando ou quadrilha e roubos.

A prisão dos acusados, que envolve policiais militares e cidadãos civis, ocorreu a partir do dia 28 de fevereiro de 2008, dando cumprimento aos trinta e dois mandados de prisão decretados pela Justiça, após quase um ano de investigações realizadas pela Polícia Civil, através do Grupo de Pronto-Emprego (GPE), e o Grupo Especial de Prevenção e Repressão às Organizações Criminosas (Geproc), além do Ministério Público Estadual. Dos vinte e oito presos iniciais, na ocasião que a Operação Navalha na Carne foi deflagrada, apenas vinte e um foram efetivamente denunciados ao Ministério Público do Estado, entre eles doze policiais da Polícia Militar e nove civis. Os policiais militares acusados são: José Djalma Ferreira Lima Júnior, major da PM; Edinaldo da Silva Pinheiro, conhecido pelo apelido de “Mongol” (PM); Emanoel Silva de Castro (PM); Rui Dias Pereira (PM); Jamilson Gama dos Santos, apelidado de “Baby” (PM); Jorge Alex Medeiros Alves (PM); Romero Guedes Lima, conhecido por Cabo Lima ou “Montanha” (PM); José Percival da Conceição Moraes (PM); Mauro Augusto Nascimento (PM); Paulo César Alves Pereira, identificado como César ou “Dedão” (PM); Rosevan Moraes Almeida (PM) e Max André da Conceição Bentes (PM).


Fonte:http://www.diarioonline.com.br

MAIS UM BOLETIM DA GREVE DOS MILITARES MARANHENSES

Barra do Corda adere ao movimento dos militares

Os policiais miltiares de Barra do Corda esperaram até a manhã de hoje uma solução para a crise da Polícia Militar. Nas primeiras horas de hoje eles reuniram e decidiram aderir à paralisação.

O capitão Carlos Arouche protagonizou um episódio deplorável.

Ele chegou a descer do carro, depois de entra no quartel, de arma em punho e caminhão na direção dos militares. Depois ele saiu com seu veículo sem respeitar quem estava na frente, chegando a passar por cima do pé do presidente da associação dos policiais.

O comandante do 5º Batalhão em Barra do Corda determinou que o capitão Carlos permaneça em casa. Depois do episódio, os poucos militares que não haviam aderido juntaram-se à paralisação.

As cores da cidadania

O sábado foi o dia reservado para os rostos pintados no acampamento dos militares.

No saguão da Assembléia Legislativa, os militares reviveram a saga dos caras-pintadas que foram às ruas contra o Governo Collor.

Dessa vez os caras-pintadas não querem derrubar nenhum governo. Lutam pelo soerguimento da moral da Polícia Militar. Com o moral elevado, durante todo o dia eles cantam canções dos quartéis e aguardam.

Os PMs reivindicam reajuste salarial, melhores condições de trabalho, eleição direta para escolher o Comandante Geral, Lei de Promoção, carga horária de 40 horas semanais .


Governadora é aconselhada a expulsar os militares

Policiais Militares e Bombeiros podem ser expulsos das suas corporações. Segundo o jornalista Luis Cardoso, um dos mais bem informados do Estado, a Governadora recebeu conselhos para que considere como desertores os militares que estão no movimento de paralisação. Veja o que diz o blog do Luis Cardoso:

A governadora recebeu orientações de assessores idiotas e imbecis a solicitar do comando da Polícia Militar a deserção dos militares grevistas. Se acatar, todos serão imediatamente expulsos da corporação. Um ato radical, burro, que demonstra a falta de sanidade do governo.

Ora, são métodos e práticas adotados pela velha ditadura militar, regime que nem o pai, senador José Sarney, abraçou a causa. Alguém precisa orientar melhor a governadora. Uma atitude que exala o odor do senador João Alberto.

Hoje, 27 de novembro, a manifestação engrossa em suas fileiras. Já ganhou adesões importantes dentro da categoria. E estão previstas para esta segunda-feira mais e mais adesões dos militares do interior, a exemplo de Balsas e outras cidade. Não tem mais freio.

Além disso, estão paralisados neste momento mais de três mil homens e mulheres. Sugeriram à governadora nomear os excedente dos últimos concursos, sem a menor experiência com o trato com bandidos e com a execução dos serviços do sistema de segurança. Uma lástima! Estamos fritos!

domingo, 27 de novembro de 2011

Presidente da Comissão de Segurança da Câmara virá ao Maranhão

O deputado federal Domingos Dutra solicitou a reunião para se inteirar da situação.


















Ele disse que sugeriu à bancada maranhense que intermedie as negociações dos mililitares com o Governo do Estado e que os deputados maranhenses aceitaram por unanimidade.

O Deputado Sarney Filho, indicado para negociar com a Governadora Roseana disse que ficaria constrangido em razão de ser irmão da Governadora, por isso foi indicado o deputado federal Sétimo Waquim.

Dutra informou aos militares que ligou para o deputado Mendonça Prado (DEM-SE). Ele é o presidente da Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado da Câmara Federal.

Mendonça Prado desembarca amanha pela manhã em São Luis e segue direto para a Assembléia onde reúne com os líderes do movimento para tentar uma negociação

Marginais fazem arrastão no Recanto dos Vinhais

Do: blog do Luis Cardoso

A imprensa alinhada ao Governo do Estado tem publicado que são boatos as ondas de assaltos na capital. Não é verdade. Digo isso com proprieade de quem assistiu a uma cena agora a pouco.

Estava comemorando a vitória do meu Vasco sobre o Fluminense no bar do meu amigo Serra, bem aqui no Recanto dos Vinhais, bairro onde moro.

Aí chegou um cidadão, em um Fiesta com os vidros quebrados, vítima de um arrastão no bairro, omitido pela imprensa governamental, trêmulo e chorando.

E informou que uma gangue havia se instalado no local. Mas a mídia governista teima e esconder tais fatos. Lamentável!

Reunião sem sucesso

Terminou agora a reunião da comissão de coronéis com os líderes do movimento dos militares.

Coronéis e lideranças do movimento dos militares tiveram uma
conversa rápida na Sala de Comissões

Os Oficiais trouxeram a mensagem de que o secretário de Saúde, Ricardo Murad, está disposto a conversar com os líderes do movimento. Os coronéis disseram que elegeram como local da conversa o quartel do Comando Geral.

Os líderes do movimento recusaram a oferta. Segundo eles, qualquer negociação deve ser feita na Assembléia Legislativa. Os líderes solicitaram que seja formada uma comissão oficial pelo Governo para realmente negociar em nome do Governo.


Eles frisaram ainda aos coronéis que não veem problemas no caso do secretário Ricardo Murad em comparecer até a Assembléia, já que ele é deputado estadual.

Os militares formaram um cordão na saída da Assembléia. Com palavras de ordem, incentivando a presença dos coronéis, os militares buscam que os Oficiais Superiores se juntem ao movimento.

Deputado Domingos Dutra chega na Assembléia

O deputado federal Domingos Dutra acaba de chegar na Assembléia Legislativa onde os policiais militares e bombeiros estão acampados desde a última quarta-feira.

Dutra está no hall de entrada onde os militares se concentram para as deliberações. No equipamento de som, os militares acabaram de cancar a canção da Polícia Militar e o Hino Nacional.

Comissão de Coronéis chega na Assembléia

Em primeira mão

Uma comissão de coronéis da Polícia Miltiar e Corpo de Bombeiros está na Assembléia Legislativa.

São os mesmos que participaram de uma reunião a poucos instantes com os secretários de Segurança, Aluizio Mendes e de saúde, Ricardo Murad.

A comissão é composta pelos coronel Duran (do Corpo de Bombeiros) e pelos coronéis da PM Flávio, Agostinho, Iratan, Saldanha e Linhares.

Os coronéis confirmaram que se não houver um acordo vai haver intervenção por parte do Exército na Polícia Militar.

Secretários de Estado estão reunidos com os Coronéis

Os secretários de Estado Aluizio Mendes ( Segurança) e Ricardo Murad ( Saúde) estão reunidos nesse momento com os coronéis da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros.

Uma pequena fração da tropa está trabalhando. Hoje pela manhã houve a adesão de um grupo de 25 Tenentes e Aspirantes Bombeiros.

Alterado às 18h33 para atualização dos dados


Fonte:http://www.louremar.com.br/

domingo, 27 de novembro de 2011

BOLETIM DA GREVE DA POLICIA MILITAR DE DORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO MARANHÃO

Coronel do Exército reúne com líderes militares


O coronel Valmir Medeiros Filho reuniu no final da tarde de hoje com os líderes do movimento dos militares que se encontram acampados na Assembléia Legislativa do Maranhão.Também participaram da reunião realizada na sala das comissões da Assembléia, os deputados estaduais Zé Carlos da Caixa e Bira do Pindaré e Fracisco Sampaio, deputado estadual pelo Estado de Roraima e diretor da Associação Nacional das Praças - Anaspra.O objetivo da reunião foi para o Oficial do Exército conhecer a realidade do ponto de vista dos militares já que do ponto de vista do Governo ele já havia sido informado.Segundo o deputado Bira do Pindaré a conversa foi "amigável". "Achei importante o coronel medeiros se colocar à disposição desse diálogo porque está faltando é justamente diálogo para resolver o problema", afirmou Bira do Pindaré.
Escrito por Louremar Fernandes

Tenentes fazem reunião, saem em carreata e aderem à paralisação


O leitor lembra que ontem postei sobre uma reunião de Oficiais que seria realizada hoje?Ela aconteceu e terminou no final da tarde. Foi realizada por um grupo de Tenentes que deliberou sobre o movimento dos militares, iniciados pelas entidades de praças. Eles resolveram participar do movimento. Chegaram a poucos minutos na Assembléia Legislativa num grande buzinaço e foram recebidos por um corredor polonês que os saudou com aplausos. Muita gente se emocionou ao ver a união dos militares. O clima é de festa. Os Tenentes permancerão, a partir de agora, acampados na sede do poder legislativo. Logo mais publicarei as fotos.
Escrito por Louremar Fernandes

Cadetes aderem à paralisação dos militares


Todos os alunos da Academia de Polícia do Maranhão aderiram ao movimento dos militares.
Os cadetes chegaram a poucos instantes na Assembléia Legislativa. Foram recebidos com festa na entrada da sede do poder legislativo.
Alguns trouxeram barracas de camping, a exemplo de muitos militares que já se encontram acampados na Assembléia


Em conversa com dois cadetes, informaram ao editor do Blog que não aguentavam mais a pressão. Estavam trabalhando dobrado para cobrir a lacuna deixada pelos companheiros que estão na Assembléia.


- Isso não era justo. O pessoal aqui lutando por melhorias para todos nós e a gente lá fazendo de conta que nada estava acontecendo, enfatizou um cadete do 3º ano.
Escrito por Louremar Fernandes

Bancada federal vai se reunir com a Governadora para discutir reivindicações dos militares


A bancada federal do Maranhão vai se reunir segunda-feira (28) com a governadora Roseana Sarney (PMDB) para tratar da paralisação dos policiais militares, visando estabelecer um canal de negociação entre o governo e o movimento paredista. O anúncio foi feito pelo deputado federal Weverton Rocha (PDT) que veio à Assembleia, na manhã deste sábado (26), hipotecar solidariedade aos militares.


“Estamos vendo com muita preocupação o conflito estabelecido entre o governo do Estado e os militares. Queremos uma saída para o impasse. Apelamos à governadora e aos militares no sentido de que sentem à mesa de negociação”, frisou Weverton Rocha, acrescentando que o deputado federal Sétimo Waquim (PMDB) está à frente da articulação da bancada federal junto ao governo do Estado, em substituição ao coordenador da bancada federal, deputado Sarney Filho (PV), que se considera impedido em razão do parentesco com a governadora.


Weverton Rocha revelou ainda que segunda-feira (28) vai apresentar um projeto de lei na Câmara Federal propondo a anistia da multa determinada pelo Tribunal de Justiça para os militares paredistas, quando julgou ilegal a paralisação.


O diretor da região Norte da Associação Nacional de Soldados e Praças (ANASPRA), deputado estadual do Estado de Roraima, Francisco Sampaio (PC do B) também esteve nesta manhã de sábado (26) na Assembleia, prestando solidariedade aos militares. “É preciso que se estabeleça uma linha de entendimento entre o governo e os militares. É responsabilidade da ANASPRA orientar nossos companheiros no sentido de que conquistem seus direitos, mas sempre respeitando o Estado Democrático de Direito vigente em nosso País”, argumentou.


Segundo Sampaio, a situação do salário dos militares do Maranhão é uma das piores do Brasil. “Temos uma bandeira de luta nacional que é a defesa do piso salarial de R$ 4.500 mil”, detalhou.
Agência Assembléia, por Ribamar Santana

Julgado improcedente pedido de prisão de líderes da greve da PM



juiz auditor militar em São Luís, Vicente de Paula Gomes de Castro, julgou improcedente o pedido da Corregedoria da Polícia Militar (PM) para decretar a prisão dos líderes da greve da PM e dos bombeiros do Maranhão.


O pedido, feito na quinta-feira (24) pelo encarregado do inquérito que investiga o movimento grevista da PM do Maranhão, coronel Edilson Moraes Gomes, alega crime de desobediência, porque os militares são proibidos pela Constituição Federal de fazer greve.


A prisão dos líderes grevistas foi requerida por meio de uma representação à Procuradoria-Geral de Justiça, solicitando a ação do Ministério Público do Maranhão à Justiça Militar. Entre as pessoas que poderiam ter a prisão decretada estão oito militares da PM e do Corpo de Bombeiros: coronel Ivaldo Barbosa (PM), coronel Francisco Melo (PM), sargento Jean Marrie (Bombeiros), cabo Roberto Campos (PM), cabo Deusivan (PM/Imperatriz), soldado Idelvan (PM/Imperatriz), cabo Nascimento (PM) e o sargento Da Hora (PM).


Na quinta-feira, o Tribunal de Justiça declarou ilegal a greve dos policiais e bombeiros militares. Na decisão, em caráter liminar, o desembargador Stélio Muniz determinou ainda a imediata suspensão do movimento de paralisação dos militares, sob pena de pagamento de multa diária de R$ 200. Apesar da decisão da Justiça, os policiais mantiveram a greve e permanecem acampados em frente à Assembleia Legislativa do estado.


De acordo com a Secretaria de Segurança Pública do Maranhão, nenhum incidente grave foi registrado no estado. Para garantir a segurança da população durante a greve dos agentes de segurança pública, um batalhão da Força Nacional está patrulhando em São Luís, e cidades do interior, como Imperatriz, Timon e Bacabal.


(Redação do JP com informações da Agência Brasil)


sábado, 26 de novembro de 2011

VEJAM ALGUMAS FOTOS DA PM'/BM's DO MARANHÃO EM GREVE












Nesta foto acima os militares acampados na Assembléia Legislativa expulsaram nos últimos instantes um militar do exército que estava espionando o movimento.











Batalhão de Choque adere à paralisação dos militares

Em primeiro mão. Nesse momento policiais do Batalhão de Choque estão na Assembléia Legislativa. A tropa aderiu ao movimento. Há indícios de que os Coronéis também vão aderir,Eles estão descontentes com os pedidos de prisão que foram feitos à Auditoria Militar. Outro fator, segundo um dos 15 integrantes da tropa de choque que foi à Assembléia, é a observação de que nem os Coronéis estão sendo prestigiados nesse momento de crise.



Sargento Almeida, do Choque, ao lado do coronel Ivaldo e dois militares
Sargento Almeida foi muito cumprimentado por todos os militares


Amanhã, o restante dos componentes do Choque devem ir para o prédio da Assembléia Legislativa declarar apoio ao movimento.


O Blog tem informações de que haverá também uma reunião de oficiais para discutirem a adesão ao movimento.

Lupi foi assessor-fantasma da Câmara por quase seis anos

Lupi foi assessor-fantasma da Câmara por quase seis anosO ministro do Trabalho, Carlos Lupi, foi funcionário-fantasma da Câmara dos Deputados por quase seis anos. Ele ficou pendurado na folha de pagamento da Casa, com lotação na liderança do PDT, de dezembro de 2000 a junho de 2006. No período, ele exercia atividades partidárias, como vice e presidente da sigla.


Em entrevista a Folha, assessores, deputados e ex-deputados do PDT. Os funcionários do partido em Brasília, que pediram para não ser identificados, confirmaram que Lupi não aparecia no gabinete da Câmara e se dedicava exclusivamente a tarefas partidárias.

OUTRO LADO


Questionado sobre sua passagem pelo Legislativo, Lupi afirmou apenas que de 1995 a 2000 exerceu, "em alguns períodos, assessorias legislativas na liderança do PDT", omitindo a maior parte de sua posterior passagem pela liderança do PDT na Câmara dos Deputados entre 2000 e 2006.Entre 1997 e 1999, Lupi foi assessor da liderança do PDT no Senado Federal. Mas, em 2002, segundo registros da Câmara ele era assessor da Casa e não teria se licenciado para candidatar-se ao Senado, como prevê a legislação.Ele nega e disse que cumpriu a lei.


sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Em Bacabal, militares fecham o quartel e permanecem dentro aguardando as negociações


A paralisação dos policiais militares de Bacabal atingiu o índice de 100 por cento.
Desde as 6 horas da manhã, dezenas de policiais se encontram nas dependências do quartel do 15º Batalhão.


Eles estão sem farda e se concentram nas dependências do Quartel. O Comando da PM, na capital, enviou um oficial superior, coronel Mariano, para administrar o Batalhão durante esses dias de crise.


Mesmo conversando com a tropa e falando de possíveis punições o Oficial não conseguiu demover os militares da idéia de aderir à paralisação.


O presidente da Associação dos Policiais Militares do Médio Mearim, soldado F.Gomes, afirmou: “Não estamos nos insubordinando. Estamos lutando por melhores dias para todos nós, do soldado ao coronel. Não queremos aumento absurdo de salário, estamos pedindo reajuste, ou seja, correção daquilo que perdemos ao longo do tempo”.


Os policiais não saíram do quartel. Familiares levaram o almoço e lanche. Um grupo levou uma churrasqueira para preparar o almoço. O clima é de tranqüilidade enquanto aguardam notícias da central do movimento reivindicatório baseada na capital.


Nesse instante, às 16h25, o presidente da Assembléia, deputado Arnaldo Melo, está no Palácio dos Leões dialogando com a Governadora Roseana Sarney.



Flávio Dino emite nota em apoio ao movimento dos Militares


Na tarde de ontem o presidente da Embratur – Empresa Brasileira de Turismo – Flávio Dino, emitiu nota de apoio à manifestação realizada por militares e bombeiros do Maranhão:
Acompanho com preocupacão a crise com policiais e bombeiros do Maranhão, causada pela insensibilidade e omissão do governo estadual.


Expresso meu desejo de que o diálogo democrático prevaleça entre as partes e que se encontre uma solucão adequada às reivindicações.


Manifesto minha solidariedade às famílias dos policiais e bombeiros, assim como às demais famílias que sofrem grave insegurança.


Medidas autoritárias não solucionarão a crise.
Colegas parlamentares da oposição estão atuando corretamente em busca de caminho democrático.

FONTE: http://policialbr.com

Sem PM, governo do MA pede ajuda ao Exército e Aeronáutica


Por conta da greve dos policiais militares e dos bombeiros do Maranhão iniciada na noite de quarta-feira (23), o governo do Estado pediu ajuda ao Exército e a Aeronáutica para reforçar o policiamento ostensivo nas ruas. Sem a PM, hoje essa tarefa cabe aos homens da Força Nacional que chegou ao Estado nesta quinta-feira.


Oficialmente não se tem informações sobre quantos membros da Força Nacional estão em São Luís. O comando da tropa afirma que não divulga dados por questões “estratégicas” mas estima-se que pelo menos 300 integrantes estejam na capital maranhense.

Leia também: Justiça decide que greve de policiais é ilegal

O Exército deslocará homens que já trabalham no Maranhão e também mandará soldados do Piauí e Pará para o Estado. Até o momento, segundo o governo do Estado, mesmo com a greve “nenhum incidente mais grave foi registrado”.

De acordo com o movimento grevista, pelo menos 70% dos policiais militares pararam no Maranhão. Nas principais cidades, como São Luís, Imperatriz, Timon e Bacabal, a Força Nacional foi obrigada a assumir o policiamento ostensivo. O governo do Estado também disponibilizou um site www.delegaciaonline.ma.gov.br para registros de ocorrências considerada leves como furtos ou extravio de documentos e roubos de celulares. Os policiais militares que estão nas ruas atendem apenas à ocorrências mais graves, como crimes contra a vida e contra a honra.

OCUPAÇÃOOs militares ainda não desocuparam a sede da Assembleia Legislativa do Maranhão. O protesto começou na noite de quarta-feira e não tem data para terminar. Pelo menos mil militares, bombeiros e familiares estão no prédio. A justiça considerou a paralisação e a ocupação do prédio como ilegal.

O presidente da Casa, deputado Arnaldo Melo (PMDB), pediu a todos os funcionários a deixarem o prédio durante a paralisação dos policiais militares. Os manifestantes armaram barracas, estão com colchonetes, carros de som e fazem vaquinha para comprar comida, água, entre outros suprimentos. Eles manterão vigília até terem um indicativo de que a governadora Roseana Sarney (PMDB) atenderá a pauta de reivindicação da categoria. Os militares exigem aumento salarial de 30%, fora outros benefícios.

Durante a tarde desta quinta-feira, surgiu a notícia de que o governo do Estado pediu a prisão por descumprimento de ordem judicial de oito líderes do movimento, entre os quais os ex-comandantes do Policiamento Metropolitano de São Luís, coronéis Ivaldo Barbosa e Francisco Melo.

Ao iG, o
secretário de Segurança, Aluísio Mendes, negou a informação. Mas não descartou a possibilidade de pedir a prisão dos líderes do movimento se a Assembleia Legislativa não for desocupada e se os policiais não abrirem uma frente de negociação.

fonteFONTE: http://policialbr.com/