Pesquisar este blog

domingo, 28 de fevereiro de 2010

Polícia destrói 85 mil pés de maconha no Maranhão

Foram apreendidos 240 quilos da droga pronta para consumo. Também foram encontradas 40 mil mudas da planta no local.
A Polícia Civil do Maranhão destruiu cerca de 85 mil pés de maconha em Rosário (MA), neste sábado (27). A plantação foi descoberta durante um sobrevoo de fiscalização rotineira do Grupo Tático Aéreo (GTA). O local estava dividido em oito áreas de cultivo.
Apesar da divisão, a polícia acredita que todo o cultivo seja de um único responsável, pois há ligação entre as áreas plantadas.
O local da plantação é de difícil acesso, mas fica perto da rodovia MA-402, que liga Rosário ao município de Barreirinhas (MA).
Alguns dos pés de maconha encontrados já estavam prontos para a colheita. “O proprietário deverá ser indiciado pelo crime e a área deverá ser desapropriada para a reforma agrária”, disse Aluísio Mendes, secretário Adjunto de Inteligência da Secretaria de Estado de Segurança Pública.
No local, os policiais ainda apreenderam 240 quilos da droga pronta para consumo, 40 mil mudas e cinco quilos de sementes.
Os responsáveis pelas plantações fugiram com a chegada dos dois helicópteros da polícia usados na operação.

Taxista vive momentos de terror no Barreiro

Foto: Keilon Feio
Os bandidos trocaram tiros e fizeram o taxista refém

Momentos de desespero marcaram o início da manhã de ontem, na rua Marabá, bairro do Barreiro, em Belém. Tudo começou quando quatro assaltantes abordaram um taxista na rodovia Arthur Bernardes. Ele foi colocado dentro da mala e os bandidos seguiram para uma residência, no canal do Jacaré, e invadiram uma casa.

O imóvel foi invadido e eles levaram televisores, roupas e dinheiro do proprietário da casa e colocaram todos os objetos dentro do veículo. Em seguida, eles fugiram, mas se depararam com o motopatrulhamento da Polícia Militar. Os policiais tiveram conhecimento do fato porque populares fizeram a denúncia ao Ciop.

Para conter a fuga dos bandidos, os policiais chegaram a fazer vários disparos contra o veículo. “Eles atiraram nos pneus e atiraram na direção do motorista. Nessa confusão, o que estava conduzindo o carro conseguiu fugir”, disse o taxista, que ainda era refém nesse momento.

A negociação começou na rua Marabá, em frente à casa de Raimundo da Silva Costa, 18, integrante da quadrilha. Nesse local, várias viaturas da Polícia Militar se deslocaram para acabar com o assalto com refém.



Após uma hora de conversa tensa entre policiais e os bandidos, eles resolveram se entregar. Mas até nesse momento os ladrões demonstraram audácia e petulância. Em vez de entregar a arma, como foi combinado, Raimundo jogou o revólver para cima do telhado. “Eu não quero me entregar”, dizia Raimundo. Além dele, Jeferson Leal Cardoso, 18, e um adolescente de 15 anos também foram presos.

(Diário do Pará)

Homem dá três tiros em desafeto no Icuí


Uma rixa antiga entre dois moradores do bairro do Icuí-Guajará terminou no baleamento do ajudante de pedreiro Rafael Ribeiro do Nascimento, de 22 anos. Ele foi baleado por dois homens na noite de sexta-feira, um deles identificado como “Eiglas”. A vítima foi socorrida e se encontra internada no Hospital Metropolitano.O crime ocorreu por volta das 23h30 de sexta-feira, na rua São João. O padrasto de Rafael, Francisco Correa, relatou na Seccional da Cidade Nova que chegou a presenciar o momento em que a vítima foi baleada.“Eu vi os dois que estavam lá (no local) na hora. O que atirou e o tal de ‘Eiglas’. Mas não sei quem era o outro. Mas era um caso de rixa deles dois (Rafael e o atirador)”, disse Francisco.
INTERNADOA vítima foi atingida por três tiros que acertaram o tórax, mão direita e ombro direito. Após o baleamento, populares e vizinhos de Rafael prestaram socorro à vítima e a conduziram em um carro particular para o Hospital Metropolitano. Rafael recebeu atendimento e permanece internado. Seu estado é considerado grave.
O caso foi registrado na Seccional da Cidade Nova. A polícia trabalha para localizar “Eiglas” e o outro homem que atirou em Rafael. Mas, apesar das buscas feitas pelo bairro, ninguém foi preso. (Diário do Pará)

Homem dá três tiros em desafeto no Icuí


Uma rixa antiga entre dois moradores do bairro do Icuí-Guajará terminou no baleamento do ajudante de pedreiro Rafael Ribeiro do Nascimento, de 22 anos. Ele foi baleado por dois homens na noite de sexta-feira, um deles identificado como “Eiglas”. A vítima foi socorrida e se encontra internada no Hospital Metropolitano.O crime ocorreu por volta das 23h30 de sexta-feira, na rua São João. O padrasto de Rafael, Francisco Correa, relatou na Seccional da Cidade Nova que chegou a presenciar o momento em que a vítima foi baleada.“Eu vi os dois que estavam lá (no local) na hora. O que atirou e o tal de ‘Eiglas’. Mas não sei quem era o outro. Mas era um caso de rixa deles dois (Rafael e o atirador)”, disse Francisco.
INTERNADOA vítima foi atingida por três tiros que acertaram o tórax, mão direita e ombro direito. Após o baleamento, populares e vizinhos de Rafael prestaram socorro à vítima e a conduziram em um carro particular para o Hospital Metropolitano. Rafael recebeu atendimento e permanece internado. Seu estado é considerado grave.
O caso foi registrado na Seccional da Cidade Nova. A polícia trabalha para localizar “Eiglas” e o outro homem que atirou em Rafael. Mas, apesar das buscas feitas pelo bairro, ninguém foi preso. (Diário do Pará)

sábado, 27 de fevereiro de 2010

FHC diz que Serra será candidato do PSDB e critica campanha antecipada


Ex-presidente diz que nome não é oficial ainda por questão de momento.Ele esteve nesta manhã em inauguração de ciclovia em SP.
Juliana Cardilli Do G1, em São Paulo

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso afirmou neste sábado (27) que não há dúvidas de que o candidato do PSDB à Presidência nas eleições deste ano será o atual governador de são Paulo, José Serra. Segundo ele, o nome de Serra ainda não se tornou oficial apenas por uma questão de “momento”. “O candidato do partido é o que todo mundo sabe, o José Serra. O problema é que não é o momento ainda, a lei não permite”, disse o ex-presidente. “Na medida em que o governador de Minas Gerais [Aécio Neves], que poderia ser candidato, tem condições, disse que não vai, então é o Serra. O resto é conversa.”
Ao ser questionado da postura do partido em não confirmar o candidato no momento em que o PT já confirmou a ministra Dilma Roussef como pré-candidata, Fernando Henrique indiretamente criticou o partido governista. “Ela não assumiu candidatura nenhuma, e já começou campanha. É fora do tempo e é ilegal.” O ex-presidente participou da inauguração da ciclovia da Marginal Pinheiros, em São Paulo, evento que contou com a presença de Serra e o prefeito da capital paulista, Gilberto Kassab. Indagado se a decisão de lançar Serra passa por Aécio Neves, ele desconversou. “A decisão passa por todos os líderes, e o Aécio tomou uma posição, ele disse que vai se concentrar em Minas Gerais.” Drogas Fernando Henrique também negou ter pedido em evento na sexta-feira (26) a descriminalização de todas as drogas. “Não pedi nada. O evento foi feito com a Secretaria da Justiça para discutir qual a melhor maneira de reduzir o consumo. Não pode legalizar porque faz mal”, disse o ex-presidente. “A tese é outra. Não adianta coloca na cadeia o usuário, porque ele vai usar mais. Tem que botar na cadeia o traficante.”

Juiz enquadra delegado geral por desobediência

O juiz da Vara de Entorpecentes e Combate às Organizações Criminosas, Heyder Tavares da Silva Ferreira, irritado com o não comparecimento de dois investigadores da Polícia Civil arrolados como testemunhas de um processo, na audiência que aconteceu na manhã de ontem, às 9h, determinou que um delegado de polícia da unidade policial mais próxima à da Delegacia Geral, conduza a seccional do delegado Geral Raimundo Maués Benassuly para instaurar contra ele procedimento legal por crime de desobediência conforme o artigo 330 do Código Penal. O juiz também enquadrou os dois investigadores do caso pelo mesmo crime.O despacho gerou um desconforto entre o juiz e o titular da Polícia Civil do Pará que orientou os seus subordinados a não cumprirem a decisão. “Ordem ilegal não se cumpre. Este juiz não tem competência para determinar tal ato, mesmo porque não houve desobediência. Ele tem que ler a Constituição”, disse ontem o delegado Geral Raimundo Benassuly.Contudo, o magistrado diz em seu despacho que “a desobediência é flagrante, já que é de competência do delegado geral fazer a apresentação dos investigadores à Justiça”. Como ele não cumpriu a determinação, pela terceira vez, o juiz decidiu enquadrar Benassuly pela falta dos investigadores.O juiz Heyder determinou ainda que a Corregedoria da Polícia Civil seja informada da decisão e do flagrante a ser realizado, assim como a direção da Secretaria de Segurança Pública para medidas administrativas.A seccional mais próxima da Delegacia Geral é a de São Brás. Mas, até o final da tarde de ontem, não havia a ordem judicial chegado a conhecimento do delegado do plantão. O processo que originou a ordem do juiz Heyder Tavares tem como indiciadas em tráfico de entorpecentes Ingrid Monique Santos da Silva e Dinair Souza Santos. Elas foram presas pelos investigadores Izan de Souza Silva e Célio Tomás Nunes Salvador, pertencentes à Seccional do Guamá.Os dois policiais foram arrolados nesse processo como testemunhas de acusação. A ausência dos dois na audiência, contudo, atrasou o andamento do processo e a instrução criminal.“O feito não pode ficar eternamente esperando o Delegado Geral se decidir a mandar os seus subordinados. Além do atraso, o preso fica mais tempo recolhido, com os seus direitos constitucionais violados”, disse o juiz ao se decidir pela prisão do delegado geral.Heyder Tavares também alfinetou o Governo do Estado e a Ordem dos Advogados do Brasil. “A política do atual Governo do Estado divulgada na mídia é ‘a grande obra desse governo é cuidar do povo’ (sic). Este juízo não pode visualizar um raciocínio lógico. De um lado, o Governo culpa o Judiciário de responsabilidade pela superpopulação carcerária, formada na grande maioria por provisórios. E do outro, não apresenta os policiais que participaram de uma prisão, contribuindo para a liberdade do preso”, protesta o magistrado.Heyder aproveitou sua decisão também para criticar a OAB-PA. Ele disse que defender a “obediência de horário e determinações judiciais pela polícia também deveria ser a bandeira da OAB e não ir conferir ponto de magistrados em todo o Estado”.Benassuly: “decisão ilegal não é para ser cumprida”O delegado Geral da Polícia Civil, Raimundo Benassuly, rebateu ontem, em entrevista por telefone ao DIÁRIO, o despacho que juiz que, segundo ele, seria ilegal e não tem fundamento da Constituição Estadual. Antes de disparar severas críticas ao magistrado, o delegado informou que nenhum juiz pode decretar a detenção e condução por desobediência de um Secretário de Estado ou de servidor público com cargo com status de secretário, como é o caso dele. “Conforme o artigo 338 da Constituição somente o Pleno do Tribunal de Justiça, composto pelos desembargadores, pode dar tal ordem. Ele desconhece a Constituição e tem que lê-la”, afirmou.Benassuly contou que os investigadores do caso tomaram ciência da audiência, mas um deles estaria em um hospital, pois estava com uma crise de erisipela. Já o outro chegou atrasado, mas ficou por toda a audiência do lado de fora da Vara esperando ser chamado. “Nesse momento, o juiz poderia ter chamado o investigador, mas não o chamou. Então não houve desobediência. Além do mais, o juiz é incompetente em determinar tal procedimento, pois foi além do que poderia julgar. Vou processá-lo civil e criminalmente”, diz o delegado.Ele completa dizendo que o despacho teria sido apenas um protesto do juiz Heyder Tavares. “Ele manifesta uma ira contra à OAB que tem fiscalizado o horário dos juízes e ao Governo do Estado que culpa a Justiça pela não celeridade dos processos”.Ainda ontem, o chefe da Polícia Civil do Pará comunicou a Corregedoria do Tribunal de Justiça e informou informalmente o presidente do TJE, desembargador Rômulo Nunes. Além disso, Benassuly informou que vai ingressar com uma ação no Conselho Nacional de Justiça contra o magistrado. A assessoria do TJE-Pa foi procurada, mas o juiz se negou em dar entrevista. (Diário do Pará)

Pai vai responder pelo crime do filho

A delegada Ione Coelho decidiu, por conta do grande número de adolescentes envolvidos em homicídios no Guamá, tomar medidas drásticas para coibir o avanço da criminalidade no bairro. A partir de agora, os pais dos infratores também poderão ser indiciados pelos crimes cometidos pelos filhos. Segundo a delegada, como a educação dos jovens é de responsabilidade dos pais, eles devem ser culpados por todos os seus atos. Caso sejam condenados, a pena oscila entre dois a quatro anos de prisão.
'A família também é culpada pelo envolvimento dos adolescentes no crime. Enquanto eles estão roubando e matando, os pais ficam em casa assistindo televisão. E o pior: a maioria deles não quer enxergar a realidade', justifica Ione Coelho.
Os pais serão indiciados por abandono de incapaz, tanto maternal como intelectual, após a conclusão do inquérito do adolescente. Alguns já foram finalizados e, em breve, serão encaminhados para a Justiça. 'Tem escola e oportunidade para todo mundo. Não podemos admitir que somente o governo seja responsabilizado, quando os pais é que não seguram as rédeas de seus filhos', explica.
O advogado Eduardo Imbiriba disse que o indiciamento dos pais é constitucional, mas, para ser levado a julgamento, deverá ser analisado pelo Ministério Público. Se aprovado, o caso será julgado pelo Juizado da Infância e da Juventude.
Fonte: Oliberal

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

Assessor de Dilma é citado em processo do mensalão

Fábio Góis

Maior escândalo do governo Lula, o processo sobre o mensalão do PT deixou de tramitar em segredo de Justiça no Supremo Tribunal Federal (STF). E, segundo reportagem da edição desta semana da revista ISTOÉ, assinada pelo repórter Hugo Marques, o conteúdo das 69 mil páginas (“147 volumes e 173 apensos”) “empresta ainda mais gravidade ao escândalo”.

Intitulada “O roteiro final do mensalão – Parte I”, a reportagem diz que novos documentos e testemunhas revelam a participação do ex-prefeito de Belo Horizonte Fernando Pimentel (2005-2008), coordenador da campanha da pré-candidata do PT à Presidência da República, Dilma Rousseff. Seria “um dos operadores da remessa ilegal de recursos para o exterior”, segundo a revista, referindo-se a dinheiro público que, em parte, serviu para pagamento de dívidas do partido com o publicitário Duda Mendonça. Cerca de US$ 80 milhões teriam sido enviados clandestinamente aos Estados Unidos.

“Além de lançar luz sobre novos personagens – até aqui eram 40 réus –, a investigação derruba a versão de que o dinheiro público estava ileso do esquema de caixa 2 do PT”, diz trecho da reportagem. “Chegou-se a levantar essa hipótese durante a CPI, mas não havia provas.”


"Euros em cuecas"

Novas provas, diz a revista, mostram que o dinheiro movimentado não era apenas para custear despesas de campanha de candidatos petistas. “Diante de juízes e procuradores, testemunhas contaram em detalhes como atividades privadas de interesse partidário foram custeadas com as mesmas notas de dólares, euros e reais que circularam em cuecas e malas e ainda compravam apoios no Congresso.”

A matéria diz ainda que os novos desdobramentos têm potencial de causar “intempéries na corrida eleitoral”, e que o ministro do STF Joaquim Barbosa, relator do processo, pode incluir, entre outros, Pimentel entre os réus. A hipótese de arrolamento de novos nomes no processo foi reportada à revista por um dos ministros da corte.
Fonte: Congresso em foco

DENÚNCIA ANÔNIMA LEVA À PRISÃO DE TRAFICANTES EM BRAGANÇA


Denúncia anônima enviada à Polícia Militar recentemente resultou na prisão de duas mulheres suspeitas de tráfico de entorpecentes no município de Bragança. A 5ª Companhia Independente de Polícia Militar (CIPM) naquela cidade realizou diligências a casa das suspeitas.

O trabalho da Polícia Militar requisitou várias incursões ao local informado à 5ª CIPM onde supostamente as mulheres mantinham ativo um ponto de tráfico de entorpecentes. As buscas a uma residência da rua Antônio Barros, na área de ocupação Zebulândia culminaram na prisão em flagrante da jovem Vanessa Vilhena Alves, 24 anos, e de Valéria Vilhena Alves, 31 anos.

A Polícia Militar tinha informações de que naquela residência funcionava um ponto de venda de drogas. Ao chegarem ao local, os policiais da 5ª CIPM encontrando-as mulheres apontadas como supostas traficantes e na casa eram fabricados e comercializados entorpecentes.

Os policiais encontraram 150 g de pedra de óxido, 80 g de pasta de cocaína, 232g de cabeças de pasta de cocaína, uma balança eletrônica e R$ 402,00 em espécie. As mulheres detidas e os materiais apreendidos foram encaminhados para a delegacia de Bragança para os procedimentos legais.


Empresário, policial e ladrões unidos no crime

Equipes da Polícia Rodoviária Federal, do 19º Batalhão de Polícia Militar e das Polícias Civil do Pará e Maranhão conseguiram desmantelar uma quadrilha interestadual que era especializada em roubos de veículos. Eles agiam principalmente em Paragominas, na região sudeste do Pará.
Através da operação “Sem Fronteiras”, coordenado pela delegada Carmem Suely e os chefes de operações Leno e Paulo Henrique, os policiais conseguiram frustrar uma tentativa de assalto a um banco em Paragominas com uma ação preventiva. Foi quando a quadrilha partiu para um plano “B”. Captar recursos através de roubos de caminhões para realizar assaltos em bancos nas cidades de Porto Franco e São Luiz (MA).
O último assalto que eles realizaram foi a um caminhão da empresa Marko Engenharia, nos perímetros da rodovia PA-256 no sentido Paragominas/Tomé-Açú, no nordeste paraense. Eles renderam o motorista, que estava com uma carga de 120 galões de água mineral e tintas que seriam destinados à mineradora Vale.

Após descarregarem a carga e abandonar às margens da rodovia, o caminhão teria como destino Dom Eliseu, a 300 km de Paragominas, em seguida a cidade de Porto Franco (MA), onde o empresário Edílson Alves Rocha, já estaria esperando o veículo roubado para comprá-lo.

A Polícia Civil do Maranhão conseguiu localizar o caminhão entre as cidades de Porto Franco e Estreito. Lá, o motorista do empresário foi ao encontro do motorista do caminhão roubado. Após o encontro os dois foram até o empresário. Foi quando a polícia os abordou e fez uma revista na picape S-10 de Edílson. Os policiais então encontraram diversas placas e documentos falsos de automóveis, além de um revólver calibre 38 e nove munições.

A intenção da quadrilha era, com a venda do caminhão e da mercadoria, articular um assalto a um banco recém inaugurado na cidade de Porto Franco (MA).

Em parceria com a Polícia Civil maranhense, os policiais do Pará conseguiram chegar a Domingos da Silva Ozório, 50 anos, reincidente em assaltos de veículos; ao empresário Edílson Alves Rocha, 46 anos; Adalto Araújo Portela, 34 anos; e Antônio Paulo. O monitoramento de outras pessoas que fazem parte da quadrilha continua, entre eles, está o soldado Marcelo Souto de Lima, lotado no 19º Batalhão de Polícia Militar de Paragominas, já considerado foragido.

“Infelizmente o soldado que era para estar protegendo a sociedade se tornou um vilão. Não honrou o juramento que fez a sua corporação”, disse o capitão João Luiz do 19º Batalhão de Polícia Militar de Paragominas.

Há uma semana o soldado Souto não se apresenta ao quartel da PM para trabalhar. No último dia 19, quando o caminhão foi assaltado na rodovia PA-256, o soldado deveria estar de serviço no Centro Regional de Recuperação de Paragominas (CRRP), mas pagou um colega de corporação para tirar plantão em seu lugar.

Enquanto isso, outro comparsa de prenome “Tarzan” e “Chico”, estariam com a moto do PM, seguindo supostas vítimas para assaltos em Paragominas. Enquanto, o soldado estava em um Palio também dando suporte ao bando. Após a prisão de parte da quadrilha de roubo de veículos e bancos, a Polícia Civil do Maranhão, encaminhou os quatro para a 13ª Seccional de Paragominas, onde foram autuados em flagrante por roubo, formação de quadrilha e porte ilegal de arma de fogo pelo delegado Raimundo Xavier. A Polícia Civil acredita que é uma questão de tempo para capturar o resto do bando. Tanto a moto do PM quanto o caminhão roubado já estão no pátio da 13ª Seccional de Paragominas. (Diário do Pará)

Major Fábio denuncia perseguição contra os defensores da PEC 300

Mafalda Moura
O relator da PEC 300, deputado federal paraibano Major Fábio (DEM) utilizou o microfone da Câmara dos Deputados para cobrar a votação da matéria, e convocar para a 2º grande mobilização nacional que acontecerá nos próximos dias 2 e 3 de Março, onde são esperados cerca de 10 mil PM,s e BM,s em Brasília.
O deputado denunciou a existência de movimento orquestrado contra a PEC 300, e lamentou a onda de perseguição que está sofrendo por conta da defesa intransigente por melhores salários para a categoria.
-São capazes de tudo! Nesses últimos dias, Eu, o deputado Capitão Assumção e o deputado Paes de Lira, temos sofrido uma verdadeira perseguição orquestrada em todo o Brasil porque, infelizmente, não se quer pagar bem os Policiais e Bombeiros Militares do Brasil.
O deputado Major também alertou para o envio de mensagens falsas via internet. Segundo ele, os Policiais e Bombeiros Militares que estarão em Brasília na próxima semana, não podem voltar para os seus Estados decepcionados, com sentimento de frustração e descrédito no Congresso Nacional.
Assessoria

Criminosos retiram estudante de dentro de colégio e o executam na rua

Um adolescente de 17 anos foi arrancado da sala de aula e assassinado com quatro tiros, a poucos metros da Delegacia da Cabanagem. Professores, alunos e o segurança do colégio João Carlos Batista, onde a vítimas estudava, não souberam dizer quantos bandidos invadiram a escola. De acordo com o pai da vítima, seu filho usou drogas há cerca de um mês, mas logo parou.
Era por volta das 19 horas quando os criminosos pularam o muro da escola e foram direto à sala onde o garoto, que cursava supletivo noturno, estava. 'Só podem ter pulado o muro, já que essa é a única entrada e eu não saí daqui', justifica o vigilante de empresa Puma, responsável pela segurança privada da escola. Segundo ele, todo mundo saiu correndo quando foram disparados três tiros dentro das instalações do colégio. 'Eu mesmo corri para a secretaria, já que trabalho desarmado. Daí, eles podem ter saído pelo portão, porque eu não estava mais lá para ver', afirma.
Segundo uma testemunha, que também não soube dizer o número de assassinos envolvidos no homicídio, o rapaz foi puxado para fora da escola e baleado quatro vezes no rosto. O jovem caiu no meio da rua Cristina Cardoso, a cerca de 200 metros da avenida Independência e a menos de dois quarteirões da Delegacia da Cabanagem. Ao lado do braço dele ficou o caderno de aula. Tudo leva a crer que a vítima só foi baleada do lado de fora do colégio e que os primeiros tiros serviram apenas para intimidar quem estava na escola.
Messias Lima, pai do adolescente, conta que o filho chegou a experimentar drogas, influenciado por colegas de trabalho, durante o tempo que trabalhou em um açougue do bairro. Quando descobriu tudo, Messias o proibiu de trabalhar lá e brigou com ele. 'Chamei atenção dele e ele disse que ficaria limpo. Isso faz mais ou menos um mês', conta o pai. Questionado se o homicídio do filho poderia ter algo a ver com o envolvimento com as drogas, Messias nega de forma contundente. 'Com certeza não tem nada a ver com a droga. Foi um negócio rápido que ele teve; bati nele, tive que dar uma dura. Foi o único dos meus filhos a ter esse tipo de problema', argumenta.
O rapaz era o terceiro dos cinco filhos de Messias. A mãe dele chegou a ir ao local do crime e chorou com desespero ao ver o rosto dele desfigurado pelos projéteis. O adolescente cursava o terceiro período na Escola Estadual de Ensino Fundamental João Carlos Batista, referente às 5ª e 6ª séries.
Mesmo sem pistas dos homicidas, ainda na noite de ontem, a Polícia Militar e a Rotam partiram em caçada pelas ruas do bairro da Cabanagem.
Fonte: Amazônia hoje

Polícia investiga quadrilha de piratas em Breves

A Polícia Civil investiga uma quadrilha de piratas fluviais responsável pelo assalto contra uma balsa no último dia 20, em Breves, na Ilha do Marajó. O trabalho é coordenado pelo delegado Marcelo Luz, titular da Superintendências Regional das Ilhas.
Três integrantes do bando estão presos na unidade policial e a maioria dos produtos roubados durante o crime já foi recuperada. O roubo se registrou no último dia 20. A balsa “Valmar” foi abordada por sete bandidos armados no rio Vira-Saia, na zona rural do município. Enquanto a tripulação era rendida, os bandidos saquearam produtos que eram transportados de Belém para Portel, no Marajó.
Foram roubados eletrodomésticos, instrumentos musicais, vinte motosserras e artigos de perfumaria avaliados em R$ 130 mil. Os produtos foram colocados em uma rabeta e em um barco a motor. O crime foi comunicado à Superintendência Regional das Ilhas, cujos policiais saíram em buscas dos bandidos em duas lanchas. Durante as investigações, dois barcos foram abordados por uma equipe policial, sob comando do delegado, na região do rio Macaco. O local fica situado a oito horas de distância, via fluvial, da sede de Breves.
A ação policial aconteceu na madrugada do último dia 22. Dentro das embarcações, os policiais encontraram grande parte dos produtos roubados da balsa e os três presos. Cerca de 90% das mercadorias foram recuperadas. Os acusados são os irmãos Washington Soares Nunes, de apelido “Preto”, e Marlon Soares Nunes, e Roberto Praia Baía, conhecido por “Rubinho”. Um dos barcos foi usado no assalto. As investigações prosseguem para localizar e prender os demais bandidos.
Fonte:(Ascom/Polícia Civil

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

PMs e Bombeiros ficam aquartelados até receberem pagamento

Por Alisson Almeida


Foto Fred Carvalho

Associação de Subtenentes e Sargentos da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros orientou categoria a cruzar os braços em protesto.

A Associação de Subtenentes e Sargentos da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros orientou a categoria a ficar aquartelada até que os salários sejam depositados pelo Governo do Estado. O pagamento deveria ser realizado nesta quinta-feira (25), mas os proventos não foram liberados em consequencia do impasse sobre os vetos da governadora Wilma de Faria (PSB) às emendas do Orçamento Geral do Estado (OGE).

De acordo com o sargento Eliabe Marques, presidente da associação, a categoria vai fazer um protesto hoje à tarde (15h) na Assembleia Legislativa para pressionar os deputados a encontrarem uma saída para o impasse.

A ordem é suspender o policiamento ostensivo e as atividades do Corpo de Bombeiros. Como os policiais e os bombeiros, por lei, não podem fazer greve, o aquartelamento é a forma encontrada para fazer uma “parada branca”.

A reportagem do Nominuto.com entrou em contato com o comandante do Corpo de Bombeiros, coronel Cristian Bezerril, que afirmou ainda não ter conhecimento sobre o assunto. Ele informou que até o final da manhã desta quinta-feira (25) o órgão ainda não tinha sido comunicado oficialmente da situação.


Foto Fábio Rebelo

Os salários estão suspensos até que a Assembleia Legislativa decida se mantém ou rejeita os vetos da governadora. O secretário estadual de Planejamento e Finanças, Nelson Tavares, justificou os vetos do governo afirmando que as emendas retiravam dinheiro dos royalties de petróleo e do Programa de Desenvolvimento Industrial (Proadi). A medida terminou levando à suspensão dos salários de todos os servidores ligados à Sesed.

O governo espera resolver o impasse com a aprovação de dois projetos de lei, enviados ontem à Assembleia Legislativa, para abrir crédito especial no valor de R$ 506,523 milhões, que seriam distribuídos entre a Polícia Militar (R$ 281,866 milhões), o Ministério Público (R$ 112,418 milhões) e a Fundação Djalma Marinho (R$ 630 mil).

FONTE: http://www.nominuto.com/noticias/politica/pms-e-bombeiros-ficam-aquartelados-ate-receberem-pagamento/47899/

PM reformado e aposentado é preso por furto

Foram detidos, na manhã de ontem no município de Santa Izabel do Pará, Raimundo Nonato Araújo de Oliveira, de 58 anos, 3° sargento reformado da PM por alienação mental, e Rodolfo da Silva Neves, 50, funcionário público estadual aposentado pela Seduc. Eles são acusados de furto qualificado e fraude.

O capitão PM Ademir subcomandante da 17ª ZPol, informou que estava em ronda pelo município quando passava em frente ao Banco do Brasil e foi acionado por uma vítima da dupla, Maria da Conceição Trindade, 65. Ela teve como testemunhas Maria Tereza Trindade da Conceição e Reginaldo Almeida da Silva, moradores da área rural de Santa Izabel.

A vítima denunciou que estavam em frente ao banco, aguardando o início do expediente para receberem o benefício do INSS, de Maria de Nazaré Trindade, sua genitora, quando chegaram ao local os acusados. Um deles indagou se a vítima iria receber o benefício e com a confirmação de que iria, foi aconselhado a pedir ajuda ao outro acusado, que disse ser funcionário do banco.

De posse do cartão magnético da vítima e da senha, foi até um dos caixas eletrônicos e solicitou o saque do benefício, porém, disse que não havia dinheiro algum naquela máquina e sugeriu que a vítima fosse até outro caixa eletrônico ao lado. Raimundo Nonato então, aproveitou para pegar o dinheiro e logo saiu da máquina. Quando a vítima tentou sacar na outra máquina, foi informada que não havia fundos, porém desconfiada da situação, retirou das mãos de Raimundo Nonato, o papel comprovante do saque no valor de R$ 508,00.

A vítima solicitou ao acusado o valor, o que foi negado. Ele alegava que não tinha retirado qualquer valor da conta, pois não havia saído o pagamento, mostrando inclusive o saldo da conta que ele acabara de tirar da segunda máquina.

Em seguida, os acusados fugiram em um veículo Fiat Uno Mille vinho. Naquele momento passava pelo local a viatura 222, sob o comando do capitão Ademir, que diante das informações, passou a investigar o paradeiro dos acusados, com o apoio da viatura 221.

Raimundo Nonato Araújo de Oliveira e Rodolfo da Silva Neves foram abordados na BR-316, em frente à fábrica da Schincariol, quando se deslocavam em direção a Belém. Ao serem abordados pelo cabo M. Leal, Rodolfo tentou subornar o policial para que fossem liberados, sendo verificado que nas porta-cédulas dos estelionatários, havia a quantia de R$ 202,00 e R$ 310,00, respectivamente.

Com a chegada do capitão Ademir, os homens foram conduzidos para a Delegacia de Polícia Civil de Santa Izabel e foram reconhecidos como autores do furto. Os homens foram enquadrados pelo delegado Caubi Pereira.

A Corregedoria da Polícia Militar foi acionada e o corregedor do CPR III, major Seabra esteve acompanhando o procedimento de autuação do PM. Ele ficou de abrir um processo que poderá ensejar na exclusão de Raimundo Nonato da Polícia Militar do Pará.

(Diário do Pará)

PEC 300 está na pré-pauta da próxima semana

O Deputado Paes de Lira participou de uma reunião com o Presidente da Câmara Federal, Deputado Michel Temer, cobrando o compromisso assumido por Temer, diante das Associações que verdadeiramente representam os bombeiros e policiais militares brasileiros, de pautar a PEC 300 na primeira semana de março.
Michel Temer frisou que a PEC 300 já está na pré-pauta e que será debatida na próxima reunião do colégio de líderes, culminando com o primeiro dia da nossa mobilização em Brasília, dia 2 de março.
Portanto, estejam atentos com e-mails que disseminam a discórdia em nosso meio, tentando desestimular a nossa nova mobilização na Câmara Federal.
A nossa pressão maciça é fundamental para que a PEC 300 seja votada e aprovada nessa próxima semana.
Fonte:Blog do Cap. Assumção

MEC cria lista de espera na última etapa do SiSU


Candidato poderá cancelar inscrição; antes, só podia mudar a opção.Medida só valerão para a terceira etapa, que abre na segunda.

Do G1, em São Paulo


O Ministério da Educação (MEC) decidiu criar uma lista de espera para o Sistema de Seleção Unificada (SiSU) para preencher as vagas remanescentes da terceira etapa de inscrição.
Os candidatos que não tiverem sido selecionados no curso em que se inscreveram deverão confirmar no sistema o interesse pela vaga, durante o período das matrículas. As listas de espera serão divulgadas pelas próprias instituições de ensino.
Outra novidade é que será possível cancelar a sua inscrição no sistema durante o período das inscrições. Anteriormente, o candidato só podia mudar a opção de curso.
As medidas só irão valer para a terceira etapa, que estará disponível no site entre os dias 1º e 3 de março. As mudanças foram publicadas na edição desta quinta-feira (25) no "Diário Oficial da União".
O objetivo é evitar que, ao final do processo, sobrem vagas não preenchidas. Quando a primeira etapa terminou, por exemplo, mais da metade das 47,9 mil vagas haviam sobrado.
As matrículas dos selecionados na segunda etapa terminam nesta sexta-feira (26). As vagas remanescentes serão disputados na terceira e última etapa.
O SiSU
Participaram do SiSU 23 universidades e 26 institutos federais. Além das instituições federais, a Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf) e a Escola Nacional de Ciências Estatísticas do IBGE também participam do Sisu.

O sistema seleciona vagas somente nos cursos que têm o Enem como único processo seletivo. Outras instituições de ensino, que não aderiram ao SiSU, tanto públicas quanto particulares, vão adotar a nota do Enem conforme o seu critério: ou como parte da nota ou como primeira fase. O candidato deve ficar atento ao manual do vestibular de cada instituição.
Os candidatos não selecionados na primeira e segunda etapas poderão se inscrever novamente na terceira etapa, assim como aqueles que ainda não se inscreveram no SiSU.
A lista dos aprovados na terceira etapa será divulgada no dia 5 e as matrículas deverão ser feitas entre 9 e 12 de março.


Fonte:G1.globo.com

Aprovado reajuste de aposentados com recursos do pré-sal

Rodolfo Torres

Parte da base do governo na Câmara se juntou à oposição nesta quarta-feira (24) para aprovar uma emenda, apresentada pelo governista Márcio França (PSB-SP), que reajusta as aposentadorias acima de um salário mínimo.
De acordo com a emenda aprovada, 5% dos recursos de combate à pobreza do Fundo Social do pré-sal vão para esses dependentes da Previdência Social. A Casa também concluiu nesta noite a votação do PL 5940/09, que cria o Fundo Social. A matéria vai ao Senado.
O governo chegou a apresentar uma emenda para tentar substituir a que reajustaria as aposentadorias acima do mínimo. No entanto, a base aliada acabou derrotada ao apresentar uma emenda que apenas previa que 5% do fundo iria à Previdência Social, sem detalhar como os recursos seriam aplicados.
O deputado José Carlos Aleluia (DEM-BA) afirmou que o governo quis “iludir” e, por essa razão, perdeu. “Nem sua base votou.” “Essa emenda iria prejudicar o aposentado”, resumiu o líder do DEM, Paulo Bornhausen (SC).
O deputado Sílvio Costa (PTB-PE), aliado do governo, não poupou críticas ao líder do governo na Câmara, Cândido Vaccarezza (PT-SP). Costa chegou a classificar a emenda como uma “afronta” à inteligência dos parlamentares.
Por sua vez, Vaccarezza explicou que a emenda foi construída em parceria com o relator da matéria, Antonio Palocci (PT-SP), e com o próprio Márcio França, autor da emenda anteriormente aprovada. “Houve posição de governo. O governo não tem nenhum compromisso com a emenda aprovada antes.”
Vaccarezza aproveitou para rebater os ataques dos oposicionistas. “Não estamos fazendo o debate do salário do aposentado. Estamos debatendo o pré-sal”, afirmou o petista, destacando que a política de reajuste das aposentadorias ao atual governo é superior à inflação.
“Nós não temos dívidas com os aposentados. Dívidas com aposentados têm aqueles que vem fazer discurso fácil”, reforçou o líder governista, argumentando que aumento de aposentados devem necessariamente constar na peça orçamentária.
Fonte: Congresso em Foco

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

DEPUTADOS FEDERAIS DEFENDEM APROVAÇÃO DA PEC 300 NA CÂMARA

Por: Márcio Dornelles

A mobilização dos policiais e bombeiros militares do Brasil pela aprovação da PEC (Proposta de Emenda à Constituição) número 300, continua. O projeto propõe a equiparação da remuneração dos militares de todas as unidades da Federação em relação aos valores praticados no Distrito Federal.

O deputado Capitão Assumpção (PSB-ES), coordenador da Frente Parlamentar em Defesa dos Policiais e Bombeiros Militares, lamenta a morosidade da votação da PEC. “A cada 17 horas morre um trabalhador de segurança pública. E a Justiça até hoje não chegou a essa categoria de trabalhadores. Os profissionais de segurança pública, os policiais e bombeiros militares não têm reconhecimento pelo seu trabalho. Um trabalho digno que não é reconhecido pelo Estado Brasileiro”.

O deputado Major Fábio, que é titular da comissão da PEC 300, também reforça a importância a aprovação do projeto. Ele afirma que os baixos vencimentos forçam o profissional a fazer trabalhos extras para complementar a renda. “Milhares de policiais militares não ganham nem 30 reais por dia, aí recorrem ao triste serviço extra, conhecido por todos. Como acreditar em um trabalhador de segurança pública, que sai do serviço, que é desgastante, e volta pra casa para encontrar a esposa morando em uma casa sem segurança, e a família passando necessidades”.

O parlamentar disse que, na maior das vezes, o militar é submetido a trabalhos de segurança em padarias e lojas na hora da folga, para ganhar de 200 a 400 reais a mais.

- Wellington A. Oliveira - Colaborador

Polícia prende 65 em festa de suposto traficante na BA




SALVADOR - Uma operação policial no fim da tarde de ontem em Feira de Santana (BA), a 110 quilômetros a oeste de Salvador, resultou na prisão de 65 pessoas, todas acusadas de tráfico de drogas, associação para o tráfico e homicídios. Elas participavam, em um cerimonial na cidade, da festa de aniversário de 25 anos de um acusado de tráfico, Josenildo Borges Souza.

Na comemoração, estavam sendo servidos diversos entorpecentes, de acordo com o delegado Fábio Lordelo, da 1ª Coordenadoria de Polícia do Interior, de Feira de Santana. "Havia drogas em todas as mesas", afirmou. Segundo ele, "mais de cem" pessoas foram detidas para interrogatório. Dessas, 65, entre elas três mulheres, foram presas em flagrante. Também foram apreendidos drogas, celulares, automóveis e motocicletas.

"Entre os presos, há foragidos da Justiça e fugitivos do sistema prisional", disse o delegado. Na operação, também foram encontradas dez crianças - "em clara situação de risco", segundo Lordelo. "Elas foram devolvidas às famílias."




Fonte: Estadao.com.br





Estado dá calote e testemunhas ficam sem proteção

O governo do Pará pode ficar impedido de celebrar convênios com o governo federal caso o Estado seja incluído no Cadastro Informativo de Créditos não Quitados do Setor Público Federal (Cadin). O pedido de inclusão foi feito pelo Ministério Público Estadual (MPE) por conta do atraso do pagamento de aproximadamente R$ 300 mil que seriam destinados ao Programa de Proteção a Testemunhas Ameaçadas do Pará (Provita), que corre o risco de ser extinto por falta de recursos. O MPE, através do promotor de Justiça de Direitos Humanos, Aldir Viana, também recomendou à Secretaria de Planejamento, Orçamento e Finanças (Sepof) o pagamento do valor.

Segundo o promotor, o pedido de inclusão no Cadin e a recomendação para o pagamento foram feitos na última sexta-feira, mas até ontem o MPE não havia recebido resposta. “O pedido de inclusão no cadastro de inadimplentes do governo federal gera um procedimento que ainda será apreciado. Caso seja acatado, o Pará não poderá celebrar mais nenhum tipo de convênio que tenha contrapartida da União até a regularização dessa pendência”.

O orçamento do Provita para 2009 foi de pouco mais R$ 1,5 milhão, sendo R$ 892 mil de responsabilidade do governo federal, valor repassado em julho do ano passado, e de R$ 626 mil como contrapartida do governo estadual. Segundo o coordenador do programa no Pará, Marcelo Monteiro, o Estado deveria ter repassado esse recurso até setembro do ano passado, mas a primeira parcela só foi paga no dia 10 de fevereiro deste ano. Aldir Viana afirma que, entre os Estados, o Pará é o único que se encontra numa crise deste nível.

Caso a Sepof não cumpra a recomendação, o MPE dará entrada em ação cível pública contra o Governo do Estado por crime de responsabilidade e improbidade administrativa. No campo criminal, a denúncia é de prevaricação.

Por causa do atraso, o Provita está com os serviços de apreciação de novos casos suspensos, o que significa um atraso no sistema de justiça criminal, segundo o promotor Viana. Desde dezembro que nenhum pedido de inclusão no sistema de proteção está sendo apreciado pelo conselho deliberativo do Provita - do qual fazem parte órgãos do sistema estadual de segurança pública, organizações da sociedade civil e o próprio Ministério Público. Estão pendentes, desde esse período, quatro casos, que correspondem a nove testemunhas, segundo Monteiro.

CASOS

Entre os casos não apreciados está o do assassinato do pedreiro Rafael Viana, cujas testemunhas estariam sendo ameaçadas de morte pelos acusados - seis policiais militares. Uma delas, que estava entre os pedidos de inclusão no Provita negados por falta de recursos, foi assassinada em dezembro de 2009 sem receber a proteção do Estado. O MPE pediu que a mãe da vítima, Rosa Viana, fosse protegida pela Secretaria de Estado de Segurança Pública. “Qualquer coisa que possa ferir a integridade física desta senhora será de inteira responsabilidade da Secretaria”.

Apesar da inclusão de novos casos estar suspensa, o Programa continua atendendo 60 usuários. As medidas protetivas consistem na retirada das testemunhas e familiares do local de origem e a inserção em comunidades seguras, distante do local onde ocorreram os delitos. Essas pessoas são acompanhadas por assistentes sociais, psicólogos e advogados, custeados pelo Estado. O acompanhamento técnico visa ainda o monitoramento dos procedimentos de segurança e a inserção social. No ano passado, 90 pessoas foram atendidas. Segundo Marcelo Monteiro, a análise dos pedidos de inclusão no sistema de proteção é realizada pelo conselho deliberativo do Provita e leva em consideração o potencial da ameaça, assim como o parecer do MPE.

“Em geral os pedidos são feitos em casos de homicídios, quadrilhas de narcotráfico internacional, redes de prostituição internacional e grupos criminosos”. Para o promotor Aldir Viana, a importância do Provita pode ser exemplificada pelos números do programa. Em dez anos de existência, nenhuma das testemunhas teve qualquer dano à sua integridade física.

A Sepof informou que o governo já fez o repasse de uma parte do recurso referente à contrapartida do convênio 028/2003, que já estaria na conta da Sociedade Paraense de Defesa dos direitos Humanos, entidade habilitada para a execução do Provita. Segundo a Sepof, o valor depositado foi de R$ 317 mil, tendo em vista que o valor total de recurso do convênio é de R$ 658 mil e que está sendo providenciado o restante do repasse até o final de abril.

O QUE É O CADIN

O Cadastro Informativo de Créditos não Quitados do Setor Público Federal (Cadin) é um banco de dados onde se encontram registrados os nomes de pessoas físicas e jurídicas em débito para com órgãos e entidades federais. As informações contidas no Cadin permitem à administração pública federal uniformizar os procedimentos relativos à concessão de crédito, garantias, incentivos fiscais e financeiros, bem como à celebração de convênios, acordos, ajustes ou contratos.
Fonte: Diário do Para

terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

Magistrados são punidos por desvio de R$ 1,4 mi no MT

VENILSON FERREIRA - Agencia Estado

CUIABÁ - O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) puniu com a pena máxima de aposentadoria compulsória a bem do serviço público 10 magistrados do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJ-MT). Eles são acusados de envolvimento em esquema de desvio de recursos superiores a R$ 1,4 milhão. Os recursos seriam destinados a investidores que aplicaram dinheiro em cooperativa de crédito mantida por uma ordem maçônica. A decisão foi tomada por unanimidade, hoje, em sessão plenária realizada em Brasília.

Segundo nota divulgada pela Agência de Notícias do CNJ, na mesma decisão o conselho determinou que o processo seja encaminhado ao Ministério Público para abertura de ação para a devolução ao erário público do dinheiro desviado.

"Aqueles que tiveram participação ativa nesse esquema poderão até ter cassada a aposentadoria em processo de perda de cargo", explicou o ministro Ives Gandra Martins da Silva Filho, conselheiro e relator do processo administrativo disciplinar.

Entre os magistrados punidos estão o atual presidente do TJ-MT, desembargador Mariano Alonso Ribeiro Travassos, os desembargadores José Ferreira Leite (ex-presidente) e José Tadeu Cury. Outros sete magistrados também punidos pelo envolvimento no mesmo esquema de desvio de recursos para a Loja Maçônica Grande Oriente do Estado de Mato Grosso são Marcelo Souza de Barros, Antônio Horácio da Silva Neto, Irênio Lima Fernandes, Marcos Aurélio dos Reis Ferreira, Juanita Cruz da Silva Clait Duarte, Graciema Ribeiro de Caravellas e Maria Cristina Oliveira Simões.

Segundo a nota, o ex-corregedor-geral de Justiça, desembargador Orlando Perri, autor das denúncias, será investigado pela Corregedoria Nacional de Justiça. Por sugestão do ministro Ives Gandra, relator do processo, serão apuradas denúncias de que Perri teria agido motivado por perseguição política por não ter sido atendido em solicitação de empregar a namorada no Tribunal, além de ter adulterados documentos com vistas a prejudicar os investigados, enquanto ele próprio teria sido beneficiado com recursos do esquema.

Esquema

Os magistrados receberam valores variados, chegando a mais de R$ 1,2 milhão para o então presidente do TJ-MT, José Ferreira Leite, a título de verbas atrasadas e de devoluções de Imposto de Renda, depositadas diretamente na conta corrente dos magistrados, sem emissão de contracheques. "O que estamos discutindo é a dignidade, o decoro e a honra no exercício da magistratura", disse o ministro relator, que ressaltou terem os acusados "encontrado um modo de resolver os problemas da Loja Maçônica usando dinheiro do tribunal".

Durante a apresentação do voto, o ministro Ives Gandra explicou o funcionamento do esquema ocorrido na gestão do desembargador José Ferreira Leite (2003/2005), comprovado em depoimentos dos envolvidos. Eles receberam dinheiro do Tribunal, a título de pagamentos atrasados, que foram entregues à Loja Maçônica Grande Oriente, onde o desembargador era grão-mestre. Até o filho dele, o juiz Marcos Aurélio dos Reis Ferreira, teria sido beneficiado. As três juízas, Juanita, Graciema e Maria Cristina, que participaram do esquema, segundo o ministro Ives Gandra, foram utilizadas como laranjas. Receberam dinheiro do Tribunal para repassarem à maçonaria.

Os magistrados respondem por desviar R$ 1,4 milhão do TJ-MT para cobrir os prejuízos com a quebra da cooperativa de crédito (Sicoob Pantanal), criada por maçons de 2003 a 2005, época em que o desembargador José Ferreira Leite era presidente da Corte. "O que nos preocupa é a confusão que se faz entre o público e privado. Está claro nesse processo que o TJ-MT se transformou em uma filial da Loja Maçônica do Estado", declarou o presidente nacional da OAB, Ophir Cavalcanti, que participou da sessão plenária.
Fonte: Estadao.com.br

URGENTE!!! CONFRONTO ENTRE POLÍCIAIS MILITARES E POLICIAIS CIVÍS NO PIAUÍ

Policiais são baleados em confronto entre civis e militares no IML

Policial ferido é socorrido por colegas e levado para o HUT Fotos: Dantércio Cardoso Cinnara Sales - do IML Flávia Rocha e Rômulo Maia- da redação do Portal AZ Atualizada às 16h14
Os promotores de Justiça, Fernando Gomes, Leda Diniz e Rita de Fátima Teixeira Moreira, estão mediando as negociações entre o comando de greve dos policiais civis do Piauí e a procuradoria Geral do Estado. A reunião iniciou por volta das 15 horas, desta tarde terça-feira (23), com a finalidade de tentar pôr um final ao clima de "guerra" entre as duas polícias. O presidente do Sindicato dos Policiais Civis, Cristiano Ribeiro, disse que os promotores vão intermediar as negociações. “Eles vão tentar achar uma solução. Nesta terça-feira, os promotores vão sentar com o comando de greve para obter mais conhecimento sobre os fatos”, disse Cristiano Ribeiro. Segundo o Sinpolpi, a greve (que já dura 12 dias) permanece e a decisão da categoria foi unânime para manter o movimento.
Atualizada às 13h33
Dois policiais civis foram baleados durante confronto em frente ao Instituto Médico Legal (IML), no centro de Teresina, no final da manhã desta terça-feira (23). O protesto dos Civis começou no Palácio de Karnak, depois seguiu em passeata até o IML, onde imediatamente deu início uma verdadeira guerra entre as duas polícias. O confronto começou quando a PM barrou a passagem da manifestação dos grevistas rumo ao Instituto de Medicina Legal. Ao chegarem ao IML, os grevistas quebraram a porta de entrada do Instituto. A confusão ganhou maior gravidade quando um civil pegou um escudo de um policial do Grupo de Ações Táticas Espaciais - GATE. O grevista foi perseguido, atingido com spray de pimenta e em seguida baleado com uma escopeta calibre 12. Os policiais feridos No confronto, o policial Domingos Sávio da Costa Sales, 41 anos, diretor da Associação dos Policiais Civis e lotado na Comissão Investigadora do Crime Organizado (Cico), foi atingido com um tiro no pé e levado para o Hospital de Urgência de Teresina (HUT). Os dois pés foram atingidos. A bala acertou o pé esquerdo, o outro foi atingido com estilhaços. Sávio foi submetido a exame de raio-x e encaminhado para o centro cirúrgico do hospital. José Ferreira da Silva, 53 anos, do 24° DP, foi atingido na mão esquerda, também com arma de fogo, e foi levado ao HUT. Um terceiro policial civil, identificado como Araújo, também teria sido ferido, mas essa informação não foi confirmada. No HUT, só deram entradas os outros dois Civis. Policiais do BOPE, GATE e RONE estão em frente ao Instituto e impedem o avanço dos grevistas. Para reforçar o bloqueio, equipes do Corpo de Bombeiros foram enviadas para o local. Spray de pimenta, balas de borracha e tiros com arma letal foram disparados para conter os manifestantes. O comandante geral da PM, coronel Francisco Prado, informou que mais homens da Polícia Militar estão sendo enviados para reforçar as tropas que cercam a região do IML, Delegacia Geral e Instituto de Criminalística. Populares e jornalistas também inalaram spray de pimenta Pessas que passavam na Rua 13 de Maio, no momento do confronto, além da repórter Cinnara Sales e o fotógrafo Dantércio Cardoso, do Portal AZ, também foram atingidos com spray de pimenta e ficaram com a garganta e olhos irritados.
Policial Sávio da CICO socorrido pelos colegas PM utiliza spray de pimenta para impedir a manifestação dos policiais civis Houve bate-boca e agressões Os ânimos ficaram acirrados Por pouco as duas polícias não travaram uma guerra no centro de Teresina A toda hora havia surtos de conflitos Havia policiais armados tanto na Civil quanto na PM
- Wellington A. Oliveira - Colaborador

PEC 300: PM e Bombeiros ainda não definiram paralisação

Policiais e bombeiros militares de todo o país ameaçam paralisações a partir do próximo dia 3 de março caso a Câmara Federal não vote a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) 300, que cria o piso salarial de R$ 4,5 mil para a categoria. Mas as associações de classe nos Estados não parecem concordar com o radicalismo, ainda.

A Frente Parlamentar em Defesa dos Policiais e Bombeiros Militares propõe que no dia 3, os militares cruzem os braços ou que os familiares destes façam protestos em frente aos quartéis, para impedir que estes trabalhem. O deputado federal Capitão Assumpção (PSB-ES) disse que “isso não contraria a Constituição”.


Impedimento - A votação da PEC pode emperrar caso haja a intervenção no Distrito Federal, em decorrência do afastamento do governador José Roberto Arruda (DEM). A justificativa é que para haver propostas de emendas à constituição os poderes devem estar em pleno funcionamento, o que não ocorre em casos de intervenção.

E também há uma falta de acordo sobre o texto a ser votado. A principal controvérsia diz respeito ao texto que fixa em R$ 4,5 mil o piso para praças e em R$ 9 mil o de oficiais. A proposta enfrenta resistência dos governadores e dos líderes partidários na Câmara, que alegam que o texto é inconstitucional por criar despesas para os Executivos sem apontar receitas.
Fonte: Rondonoticias

Autor: Rondonoticias

Raupp pede ao presidente Michel Temer votação da PEC 300 para este mês


O senador Valdir Raupp (PMDB-RO) solicitou ao presidente da Câmara Federal, deputado Michel Temer (PMDB-SP), que coloque em votação ainda este mês, a Proposta de Emenda Constitucional (PEC/300), que prevê a equiparação salarial dos policiais militares e bombeiros dos 26 estados com os da mesma categoria instalados no Distrito Federal.

O senador esteve com Michel Temer, em Brasília, no último final de semana tratando sobre as alianças do PMDB nos estados visando às eleições de 2010, e fez o apelo para que a Câmara dos Deputados vote a PEC/300. “O presidente Temer assegurou que vai se reunir com os líderes para agendar as votações deste primeiro semestre e a PEC 300 é uma delas”, disse o senador.

Raupp informou que tem recebido apelos dos policiais e dos bombeiros do estado de Rondônia, e centenas de e’mails destes profissionais da segurança, de todo o país, preocupados com o trâmite desta proposta, na Câmara.

O senador destacou que no Senado Federal votou favorável para a PEC 41, que estabelece a criação de um piso nacional de salários para policiais militares e bombeiros e que na Câmara Federal, a proposta aguarda votação, em plenário. O senador revelou que a deputada federal Marinha Raupp (PMDB-RO) já requereu à inclusão da PEC/300, na Ordem do Dia, da Câmara dos Deputados.

Fonte: Rondonia Dinamica

BBB Anamara é exonerada da Polícia Militar


Foi exonerada da Polícia Militar da Bahia a BBB Anamara Cristiane de Brito Barreira, conhecida como Maroca. A solicitação foi entregue a pedido dela no começo do mês. A exoneração foi aceita e publicada nesta terça-feira (23) no Diário Oficial.

O advogado da BBB, Wank Medrado, explicou ao G1 que Anamara está definitivamente desligada da polícia e só poderá voltar para a corporação se realizar novo concurso. " Se Anamara não voltasse ao trabalho, ela estaria cometendo crime de deserção. Ela poderia ser presa, responder processo militar e pegar até dois anos de prisão", afirmou.
Fonte: G1

Paulo Octávio envia pedido de renúncia à Câmara do Distrito Federal


Sem apoio político, governador interino resolveu deixar o cargo.
Mais cedo, ele já havia pedido desfiliação do DEM.

O governador interino do Distrito Federal, Paulo Octávio, enviou na tarde desta terça-feira (23) à Câmara Legislativa do Distrito Federal um pedido de renúncia do cargo. Cerca de uma hora antes, às 15h, ele encaminhou ao DEM sua desfiliação ao partido –o que o deixaria sem partido para concorrer nas próximas eleições.

O governador interino teria tomado a decisão por não conseguir apoio político dos deputados distritais. Para oficializar a saída do cargo, a carta de renúncia precisa ainda ser lida no plenário da Câmara Legislativa do Distrito Federal. Na Câmara, a expectativa é de que a carta chegue às17h.
Na semana passada, Paulo Octávio já tinha "ensaiado" um pedido de renúncia. Ele chegou a convocar a imprensa para anunciar sua decisão, mas voltou atrás,apesar de dizer que já tinha sua carta de renúncia pronta.
Paulo Octávio ocupava o cargo havia duas semanas, em substituição ao governador José Roberto Arruda (sem partido, ex-DEM), afastado e preso por determinação do Superior Tribunal de Justiça (STJ), por tentar subornar uma testemunha do suposto esquema de corrupção no governo do Distrito Federal.

Fonte:G1


Polícia prende marido e sogro de turista alemã morta em Pernambuco


RECIFE - Estão presos na sede do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), no Recife, o marido e o sogro da turista alemã Jennifer Marion Nadja Kloker, 23 anos, encontrada morta com quatro tiros na quarta-feira de cinzas à margem da BR-408, vítima de um suposto roubo seguido de morte, em Recife, Pernambuco. De acordo com a investigação, há contradições e fortes indícios de que o crime teria sido forjado pela família, que não teria sido vítima de assalto.
(Leia também: turista alemã tinha relacionamento conturbado com marido na itália, dizem jornais italianos )
O mandado de prisão para Pablo Tonelli, marido de Jennifer, e o pai dele, Ferdinando Tonelli, foi expedido pela comarca de São Lourenço da Mata, onde ocorreu o suposto assalto.
A versão do crime dada pela família da alemã é a de que todos teriam sido vítimas de latrocínio - roubo seguido de morte - ao retornar do terminal rodoviário de Recife, onde tinham ido comprar passagens para João Pessoa, na Paraíba. Ao sair do terminal, o carro da família - onde estavam, além do casal e do filho de 2 anos, o pai e a mãe de Pablo - teria sido abordado por dois homens em uma moto, que anunciaram assalto. Jennifer teria então começado a gritar. Depois de um tempo, os bandidos teriam mandado que todos descessem do carro e levaram apenas Jennifer. "Ela gritava muito. Os bandidos falavam palavrões, puxavam ela pelo cabelo, dizendo para a gente ir embora sem olhar para traz", disse a sogra em um dos depoimentos.

Mas, desde o começo da investigação, a polícia não descartou a possibilidade de vingança, crime passional ou envolvimento com o tráfico internacional de drogas . Por decisão da Justiça, a família já estava impedida de deixar o Brasil até o fim das investigações. A determinação da Justiça atendeu a um pedido feito pela polícia. O resultado das perícias feitas no carro e no local do crime deve ser divulgado em breve.
Pai e sogro de Jennifer estão recolhidos em uma cela do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa, como suspeitos principais do crime. O casal e o filho de 2 anos estavam em férias no Brasil. A imprensa italiana divulgou que a jovem já havia prestado queixa contra agressões praticadas pelo marido na Itália .
Neste fim de semana, a sogra de Jennifer, Delma Freire de Medeiros, foi internada no hospital Getúlio Vargas, no Recife. Ela teria tido um acidente vascular cerebral (avc).


Fonte: Letícia Lins, O Globo, pe360graus O Globo

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

Justiça Eleitoral suspende cassação de mandato de Kassab

SÃO PAULO - A Justiça Eleitoral acolheu o recurso apresentado pela defesa do prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (DEM), e suspendeu temporariamente o processo de cassação do seu mandato. A suspensão vale até o pronunciamento do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-SP).
A decisão foi confirmada pela assessoria de imprensa do TRE-SP. O juiz Aloisio Silvera, da 1 ª Zona Eleitoral de São Paulo, havia determinado a cassação de Kassab, da vice-prefeita, Alda Marco Antonio (PMDB) e mais oito vereadores por captação ilegal de recursos nas eleições municipais de 2008.Kassab e Alda teriam recebido, de acordo com denúncia do Ministério Público, R$ 10 milhões em doações ilícitas, o que equivale a 33% do total de recursos declarados na prestação de contas do prefeito na campanha daquele ano.A Lei Eleitoral proíbe a doações de sindicatos e concessionárias do serviço público ou empresas ligadas a elas. A defesa do prefeito recorreu, alegando improcedência da ação com base na jurisprudência do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sobre doação para partidos e candidatos.O advogado de defesa, Ricardo Penteado, disse que a proibição não serve para empresas que participam de sociedade legalmente constituída. Durante ontem e hoje, Kassab procurou demonstrar calma ao afirmar que confia na Justiça.Ao longo do dia, ele ainda recebeu o apoio de alguns correligionários, como o presidente do DEM, deputado Rodrigo Maia (RJ), e líder da bancada do partido na Câmara, deputado Paulo Bornhausen (SC), que o isentaram de culpa e frisaram que as contas "da campanha estão rigorosamente dentro da lei".O TRE têm 19 processos acusatórios em nome do prefeito, sendo dez em segredo de justiça. Entre aqueles informados, são quatro ações populares, três ações civis públicas, uma notificação extrajudicial e um agravo de instrumento.O tribunal também divulgou a lista com o nome de oito vereadores cassados por Silveira por captação ilegal de recursos. São eles: Antonio Donato Madormo (PT), Arselino Roque Tatto (PT), Gilberto Tanos Natalini (PSDB), Italo Cardoso Araújo (PT), José Américo Ascêncio Dias (PT), José Police Neto (PSDB), Juliana Cardoso (PT) e Marco Aurélio de Almeida Cunha (DEM).
Fonte:Ultimo Segundo

Final de semana sangrento na grande Fortaleza-CE, no domingo teve até fila de cadáver com 7 horas de espera pelo rabecão

Confira abaixo a quantidade e local de homicídios no final de semanaSexta-Feira (19/02/2010)
1) Homicídio a BalaHora: 00h52minLocal: rua Padre Cícero, Conjunto Metropolitano, Caucaia - Região Metropolitana de FortalezaVítima: Edílson Felix de Freitas2) Homicídio a BalaHora: 02h28minLocal: rua Ayrton Senna, Conjunto Rosalina – Fortaleza-CE.Vítima: Não identificada.3) Homicídio a BalaHora: 13h37minLocal: Av. Antonio Prata, Maracanaú - Região Metropolitana de FortalezaVítima: Aldemir R. N.4) Homicídio a BalaHora: 21h33minLocal: Av. Contorno Norte, Planalto Caucaia - Região Metropolitana de FortalezaVítima: Janacir de Almeida Soares5) Homicídio a BalaHora: 22h24minLocal: rua Luis de Lima, Aquiraz - Região Metropolitana de FortalezaVítima: Francisco Wylles Maia da Silva6) Homicídio a FacaHora: 23h37minLocal: Av. Presidente Costa e Silva, Prefeito Jose Walter-Fortaleza-CEVítima: Wesley Oliveira Lima7) Homicídio a BalaHora: 23h57minLocal: rua Argentina, Bela Vista – Fortaleza-CEVítima: Francisco Jose Nunes Nogueira
Sábado (20/02/2010)8 e 9) Duplo Homicídio a BalaHora: 00h20minLocal: rua Estevão de Campos, Barra do Ceara – Fortaleza-CE

Vitimas:
1ª) Um homem aproximadamente de 40 anos, sem identificação2ª) Uma mulher de aproximadamente de 25 anos, sem identificação.Ambos ocupavam uma motocicleta e foram morto próximo de um motel.
Domingo (21/02/2010)
10) Homicídio a BalaHora: 01h15minLocal: rua Capitão Nogueira, Alto da Balança – Fortaleza-CEVítima: Osael O. L.11) Homicídio a BalaHora: 12h25minLocal: Casa de Privação de Liberdade, Itaitinga - Região Metropolitana de FortalezaVítima: José Marcos da Silva12) Homicídio a BalaHora: 14h16minLocal: rua são roque, álvaro weyne - fortaleza.Vítima: Rafael S. L.13) Homicídio a BalaHora: 15h42minLocal: rua Santa Terezinha, Catuana, Caucaia – Região Metropolitana de FortalezaVítima: João F. S.14) Homicídio a BalaHora: 18h17minLocal: rua Guimarães Passos, Eusébio - Região Metropolitana de FortalezaVítima: José A. A.15) Homicídio a BalaHora: 18h23minLocal: rua Guararema, Bom Jardim – Fortaleza-CEVítima: Francisco E. R. R.16) Homicídio a BalaHora: 18h54minLocal: rua Genibau, Genibau – Fortaleza-CEvítima: Jonanta M. C.17) Homicídio a BalaHora: 19h07minLocal: rua Caio Faco, São Miguel – Fortaleza-CEVítima: Sem identificação, apenas conhecido como "Juninho".18) Homicídio a BalaHora: 21h16minLocal: rua José Trindade, Conjunto Palmeiras – Fortaleza-CEVítima: Antonio C. C. N.19) Homicídio a BalaHora: 21h18minLocal: rua Elisa, Pirambú – Fortaleza-CEvítima: Lucivaldo S. C.20) Homicídio a BalaHora: 21h29minLocal: rua Capitão Melo, São João do Tauape - Região Metropolitana de FortalezaVítima: Luis C. G. S."FILA" DE CADÁVEROntem, domingo (21/02/2010), foram tantos homicídios num curto espaço de tempo que faltou "Rabecão" na Grande Fortaleza. Houve "fila" de cadáveres, como no caso de um homem identificado apenas como “Juninho”, que foi morto a tiros no meio da rua Caio Facó, no bairro São Miguel, Messejana, em Fortaleza-CE, e teve que esperar mais de sete horas para ser recolhido para o Instituto Médico Legal.Segundo populares, Juninho passou cerca de onze anos preso e fazia tempo que não aparecia pelo bairro. Na noite de sábado (20/02), ele apareceu e, no domingo, foi executado.
Fonte: SSPDS-CE e Jangadeiro online

Justiça reconhece vínculo de emprego de PM com empresa

Um policial militar da ativa conseguiu ter reconhecida a relação de emprego com uma empresa produtora de alimentos. A decisão é da 10ª Câmara do Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região (Campinas), que confirmou sentença da Vara do Trabalho de Capivari (SP).
A empresa recorreu ao TRT afirmando que o policial exercia apenas uma prestação de serviços eventuais. No entanto, segundo os juízes da Câmara, as provas testemunhais mostram que havia uma relação contínua.
A juíza Elency Pereira Neves, relatora, argumentou que o fato de o trabalhador ser policial da ativa não impede o reconhecimento da relação de emprego. Segundo a juíza, no processo trabalhista, o que deve ser observado é o contrato que existe na realidade.
Elency disse que é irrelevante para a Justiça do Trabalho a existência de proibições em normas administrativas da classe. Ainda mais no caso dos policiais, em que é pública a contratação dos profissionais em empresas para fazerem segurança.
No entendimento da relatora, cabe à Polícia Militar, caso entenda ter havido transgressão de regra administrativa, punir o militar.
Processo: 01017-2007-039-15-00-6 RO
Fonte:http://www.conjur.com.br/2008-nov-04/justica_reconhece_vinculo_emprego_pm_empresa

Belém lidera lista de combustíveis adulterados


O diesel foi o combustível que apresentou mais problemas
A Agência Nacional do Petróleo divulgou os índices de postos de combustíveis que em janeiro deste ano apresentaram problemas na sua composição e estão fora dos parâmetros estabelecidos em lei, são os chamados combustíveis “batizados”. No Pará, Belém lidera o ranking de flagrantes feitos pela ANP, principalmente em relação ao diesel.Conforme a pesquisa, os 22 postos da região sul de Belém fiscalizados, seis deles (26,3%) apresentaram problemas de composição. Já nas regiões central e norte de Belém 25 e 27 postos, respectivamente, foram fiscalizados e nenhuma irregularidade foi constatada. Assim como nas amostras de gasolina e etanol.Ainda na região sul de Belém - que inclui os bairros do Comércio, Jurunas, Cidade Velha e Reduto – das 15 amostras de etanol, duas estavam adulteradas (13,3%) e das 27 de gasolina outra duas também estavam irregulares. (7,4% do total). A ANP também fiscalizou outras oito regiões do Pará. O destaque foi a região de Parauapebas, Xinguara e São Félix do Xingu, onde 9,1% das amostras tiveram não-conformidades. Foram 33 amostras e três tiveram adulterações. Já em relação ao etanol o maior problema constatado foi em Castanhal, onde 16,7% das amostras estavam “batizadas”, ou seja, das 12 amostras duas estavam irregulares.Ainda segundo o balanço da ANP a maior das irregularidades encontradas nas amostras é em relação ao grau de destilação dos combustíveis ou quantidade de etanol nos combustíveis.
INFRAÇÕESOs servidores da ANP estão autorizados pela Lei nº 9.847/1999 a emitir autos de infração, a interditar bombas de abastecimento nos postos revendedores em que sejam constatadas irregularidades bem como a cancelar registros de produtos.
Ccaso detectem alguma não-conformidade no transporte, armazenagem, instalações do posto revendedor ou nos combustíveis comercializados no estabelecimento, podem emitir um auto de infração e abrir um processo administrativo, com direito à defesa do posto autuado. Ao final do processo, o posto pode ser multado e/ou interditado. Caso se constatem irregularidades em lubrificantes, a responsabilidade não é do posto e sim dos fabricantes.
Fonte: Diario do Para

PEC 300: emenda sofre alterações

A proposta deverá ser votada com salários mais baixos e a inclusão de pensionistas e policiais civis

Apesar da grande movimentação em torno da aprovação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC/300) pela Câmara dos Deputados, é possível que ela não seja votada no final deste mês por conta das alterações que estão sendo feitas pelos parlamentares. Os primeiros ajustes dão conta de que os valores que as categorias vinham reivindicando baixaram.

De acordo com a proposta inicial, os pisos seriam de R$ 4,5 mil e R$ 9 mil, mas na última quarta-feira, 10, um grupo de parlamentares lançou uma contraproposta que estabelece um salário inicial de R$ 3,5 mil para policiais e bombeiros em início de carreira, e de R$ 7 mil para oficiais.

Segundo o Deputado Mendonça Prado (DEM/SE), a briga consiste na pressão que os Estados estão fazendo para que o piso não seja baseado no salário dos militares do Distrito Federal, que gira em

torno de R$4.500,00. Apesar de alguns setores discordarem do texto inicial da PEC 300, Mendonça acredita que a votação deverá acontecer no final de fevereiro.

“Nós queremos depositar a confiança nos integrantes da mesa para que assumam o compromisso de votar a PEC 300 porque esse é um anseio de militares de todo País”, afirma Mendonça, enfatizando que o documento está pronto para ir ao Plenário.

“O presidente da Câmara dos Deputados está analisando uma nova PEC que sofreu algumas alterações e será votada através de uma emenda aglutinativa, onde será analisado o valor do piso, alcançando o mesmo valor para os inativos e pensionistas”, esclarece o deputado.

PEC 446

No entendimento do presidente da Associação Nacional dos Praças do Brasil (Anaspra), o deputado distrital Cabo Patrício (PT), a PEC 300 apresenta itens que são inconstitucionais.“Ela precisa de correções. Do jeito que está é inconstitucional porque não identifica a fonte pagadora. O legislador não pode criar despesas para o Executivo sem prever a fonte desses recursos. Isso é tarefa do Executivo”, enfatiza, salientando que a PEC pode ser votada somente em março para as adequações.

“Não adianta trazer os policiais de todo País a Brasília para pressionar a aprovação do piso. Não posso concordar com isso porque os militares ficam dormindo de qualquer jeito e não adianta nada. É preciso um entendimento, um diálogo de todos os parlamentares para que a PEC seja aprovada com responsabilidade”, ressalta o Cabo Patrício, completando que é a favor que a votação aconteça.

“Não importa se será PEC 300 ou PEC 446. Não importa o número ou o autor da proposta. O importante é criar o piso o quanto antes, para fazer justiça aos policiais e bombeiros que estão perdendo a vida”, defende o parlamentar.

O gestor da Associação Beneficente de Servidores Militares de Sergipe (ABSMSE), sargento Vieira, é a favor da implantação das duas Propostas. Segundo Vieira a PEC 300 precisa de correções porque não podem ser incluídos valores. “A 300 passou na Comissão de Constituição e Justiça [CCJ] garantindo a paridade de salários entre ativos, inativos e pensionistas, mas precisa de correções porque a PEC não pode incluir valores”, explica.

Ele lembra que a segurança pública vem sendo tratada com descaso. “A segurança pública vem sendo tratada com jeitinho e isso está refletindo na sociedade. O policial trabalha com medo nas ruas porque se, Deus me livre, eu morrer a minha família vai passar necessidade”, diz o gestor da ABSMSE.

Aquartelamento

Os militares estão reunidos em todo País para criar formas de pressionar a Câmara caso a PEC 300 não seja votada até o final do mês. Cautelosos, os militares vão acompanhar o andamento dos trabalhos, mas caso a PEC não seja votada a promessa é de aquartelamento. “Vamos esperar que a votação aconteça e seguir uma orientação do que irá acontecer em todo País”, garante Sargento Vieira.

Por Kátia Susanna

Homicídio em assentamento


Jovem de 22 anos achou o corpo do pai sobre a cama, com um golpe profundo no rosto, em Santa Bárbara
Um crime de circunstâncias ainda desconhecidas acabou com a tranquilidade no assentamento rural 'Abril Vermelho', no município de Santa Bárbara, na Região Metropolitana de Belém. O agricultor e piscicultor José de Ribamar de Oliveira da Silva, 55 anos, foi encontrado morto com um golpe profundo no rosto, feito provavelmente com um terçado. O investigador Jorge Leite, da Delegacia de Polícia Civil do município, diz que ainda não há pistas de quem pode ter cometido o homicídio.
A morte de José de Ribamar ocorreu no último sábado, entre 17h e 19h. De acordo com as primeiras informações prestadas à polícia pelo filho da vítima, Jorge Luís Silva Rubim, 22 anos, o homem foi encontrado deitado em sua cama com uma única e profunda fenda na face. O corpo estava na diagonal calçado com um único lado do par de botas de trabalho, calça de tergal e camisa de tecido com os botões abertos. Ao lado, um lençol manchado com sangue. Na pequena casa, de um único cômodo, nenhum vestígio de confronto entre vítima e assasssino. Tudo estava no devido lugar, inclusive as panelas com comida e um prato com resto de alimento, como se José tivesse jantado antes do crime.
Jorge Luís diz que o único objeto que sentiu falta ao voltar e encontrar o pai morto foi um telefone celular. Curiosamente, a área em que ocorreu o crime não possui cobertura de operadora de telefone móvel. O investigador Leite observou que não há dúvida de que o homem foi assassinado na cama, sem chance de reação. É provável que ele estivesse dormindo quando foi atingido.
O filho da vítima conta que o pai estava bebendo antes dele e um sobrinho adolescente saírem. Mas, já ía se recolher para dormir depois de um cansativo dia de trabalho na escavação de um reservatório para peixes, especialidade de José de Ribamar. Jorge e o sobrinho, que morava com eles no pequeno casebre, saíram por volta de 17h para o município de Santa Izabel a fim de avisar um parente porque a construção onde trabalhavam havia terminado e, hoje, eles partiriam de volta para São Luís do Maranhão, terra natal dos três.
A dupla chegou a dar início a viagem pelas estrada de terra do assentamento, que antes era a área da Fazenda da Denpasa, mas decidiu retornar porque escureceu. 'Ficamos com medo, não ía dar para chegar em Santa Izabel naquela escuridão. Quando a gente voltou, ele estava morto', disse Jorge. A casa fica a 5,7 quilômetros da Estrada do Genipauba, a via asfaltada mais próxima, e os vizinhos mais próximos da cena do crime estão a mais de 500 metros de distância.
O adolescente comentou que no início de fevereiro, José teve sua espingarda roubada por homens que invadiram a pequena propriedade pela parte de trás. A vítima estava morando há cerca de um ano na cidade e os dois rapazes, ajudantes no trabalho de escavação de reservatórios para peixes, chegaram no dia 7 de janeiro para trabalhar com o agricultor. Até o momento o crime continua sem explicação.
Fonte: Amazonia Hoje

domingo, 21 de fevereiro de 2010

Trio agiu no Reduto, mas a polícia que fazia ronda estranhou a movimentação e prendeu assaltantes



Funcionários e clientes de uma loja de veículos ficaram reféns de três bandidos armados por quase uma hora no centro de Belém. A ação dos assaltantes foi contida por policiais militares que faziam o policiamento ostensivo no bairro do Comércio. Um tiro foi disparado, mas ninguém saiu ferido. Os três homens foram presos e encaminhados para a Seccional Urbana do Comércio.
A ação aconteceu no início da tarde de ontem. Os três assaltantes estavam em duas motos (placas JVC-4132 e JVS 0476), sendo uma de Belém e outra de Ananindeua. Elas foram estacionadas na av. Assis de Vasconcelos, próximo à rua Ó de Almeida. Em seguida, os bandidos entraram na loja Facy Car, de revenda de veículos, anunciando o assalto.
Dentro da loja, sete pessoas, entre funcionários e clientes, foram assaltadas e feitas reféns. O proprietário, Juliano Valente, e um funcionário da loja ficaram sob a mira de revólveres. As duas armas eram de calibre 38. Todos foram obrigados a ficar deitados no chão. Enquanto o terceiro assaltante fazia o recolhimento dos objetos roubados. Um tiro foi disparado para o alto. Segundo as testemunhas, o disparo teria ocorrido acidentalmente da arma de um dos bandidos. Ninguém foi atingido. Entre os objetos roubados estavam celulares, dinheiro, relógios, cordões e anéis.
Uma viatura da 6ª Zona de Policiamento (Zpol), que fazia a ronda ostensiva no Comércio, percebeu a movimentação estranha dentro da loja e acionou o Centro Integrado de Operações (Ciop). Com a chegada das viaturas, o perímetro da rua Ó de Almeida, entre a travessa Frei Gil e a av. Assis de Vasconcelos, foi interditado pela polícia. Duas viaturas da Ronda Tática Metropolitana (Rotam) também foram acionadas para prestar auxílio nas negociações com os bandidos.
Nervosos com a presença da Polícia Militar no local, os dois assaltantes armados colocaram as armas na nuca do proprietário e do funcionário e os fizeram de escudo humano. A situação era tensa, já que um tiro foi disparado por um dos bandidos poucos minutos antes. O tenente da PM Vitor Ribeiro conduziu as negociações, que duraram cerca de 40 minutos. Para se entregarem à polícia, os assaltantes exigiram coletes à prova de bala e a presença da imprensa no local, com intuito de garantir a integridade física deles.
Após o cumprimento das exigências, primeiramente cinco pessoas foram liberadas e, em seguida, Ricardo de Oliveira Gonçalves (32), Marcelo Araújo Alfaia (21) e Rafael Nunes de Araujo (22) saíram de dentro da loja com o proprietário e o funcionário como escudos humanos. Eles depositaram as armas no chão e liberaram os dois últimos reféns.
Dezenas de pessoas acompanhavam na rua as negociações da polícia com os assaltantes. Os bandidos foram levados até a viatura da PM escoltados. Algumas pessoas estavam revoltadas com a situação e queriam linchá-los. 'Deixa eles aqui com a gente, que nunca mais eles vão assaltar', disse um homem. 'Vamos pegar e linchar eles. Não adianta ir pra cadeia. Daqui a pouco, eles estão soltos', afirmou, indignado, um senhor.
Ainda bastante abaladas com o assalto, as vítimas relataram os momentos de tensão dentro da loja. 'Estávamos reunidos na sala, quando eles chegaram anunciando o assalto; roubaram os nossos pertences e nos mandaram deitar no chão. Depois disso, um deles me pegou, segurando as minhas mãos, e começou a apontar a arma direto na minha cabeça e na minha nunca. Foi horrível, porque a gente pensa em tudo, na família, nos filhos... E o medo é grande, já que um tiro tinha sido disparado por um deles. Mas, felizmente, deu tudo certo', relatou Juliano Valente, proprietário da loja.

Tenente afirma que o principal foi acalmar os assaltantes



Segundo o tenente Vitor, os assaltantes estavam bastante exaltados no momento em que a polícia chegou ao local. 'Procuramos manter a calma deles para evitar que alguma tragédia acontecesse. Eles fizeram algumas exigências e procuramos atendê-las dentro do possível. Tudo ocorreu dentro do previsto e em pouco tempo conseguimos fazer com que eles se entregassem', disse o PM.
As duas armas foram apreendidas pela polícia. Uma possuía duas munições e a outra tinha três balas, uma deflagrada. Além disso, todos os objetos roubados foram recuperados pelas vítimas. O delegado de plantão, Otto Wirtz, da Seccional urbana do Comércio, registrou o flagrante dos três assaltantes, que já possuem passagem na polícia pelo crime de roubo. Ricardo de Oliveira Gonçalves, Marcelo Araújo Alfaia e Rafael Nunes de Araújo não revelaram a origem das armas e não quiseram comentar o assalto.
As duas motos deixadas pelos assaltantes também foram apreendidas pela PM. Os veículos não tinham registros de roubo na polícia. De acordo com o delegado Otto, eles foram autuados em flagrante e vão responder processos por crimes de roubo, porte ilegal de armas, disparo de arma de fogo e sequestro. Eles estão presos na carceragem da Seccional Urbana do Comércio à disposição da Justiça. A polícia suspeita que mais duas pessoas estejam envolvidas na ação e fugiram ao cruzarem com a viatura da PM. Nenhum dos envolvidos confirma a suspeita.




Fonte: Amazônia Hoje

Juiz eleitoral confirma cassação de Kassab, vice e oito vereadores


O juiz da 1ª Zona Eleitoral de São Paulo, Aloisio Sérgio Resende Silveira confirmou neste domingo (21) a decisão sobre a cassação do mandato do prefeito Gilberto Kassab, da vice-prefeita Alda Marco Antônio e de pelo menos oito vereadores, por captação ilícita de recursos. A decisão deverá ser disponibilizada nesta segunda-feira (22) no site do Tribunal Regional Eleitoral e publicada na terça-feira (23) no Diário Oficial.
Silveira, que falou ao G1 por telefone, não revelou os nomes dos parlamentares cassados. De acordo com ele, assim que recorrer contra a decisão, Kassab e os parlamentares terão garantido o efeito suspensivo automático, que permite a eles permanecer em seus cargos até a decisão final. O mesmo já ocorreu com outros 16 parlamentes cassados em 2009.
O juiz cassou o mandato de Kassab e dos vereadores a partir de representação do Ministério Público Eleitoral que aponta doações de campanha irregulares oriundas da Associação Imobiliária Brasileira (AIB).
O MP pediu revisão da prestação de contas com base no artigo 30-A, da lei 9.504/97, e na lei 64/90, que prevêem a cassação de registro e declaração de inelegibilidade por três anos quando comprovados captação ou gastos ilícitos de recursos. O advogado de defesa do prefeito Gilberto Kassab e da vice, Alda Marco Antonio, disse na noite de sábado ao G1 que o próprio juiz reconhece que baseou sua tese em voto vencido no Tribunal Superior Eleitoral. Silveira reconhece que adotou a tese do ministro César Peluso, mas esclarece que confia na decisão. "Eu estou convicto desse meu fundamento. Me pareceram sólidos os fundamentos do ministro", afirmou.
O juiz também afirmou que a ex-prefeita Marta Suplicy e o ex-governador Geraldo Alckmin, candidatos à prefeitura de São Paulo em 2008, também tiveram suas contas de campanha aprovadas, mas ressalvas. De acordo com ele, estes candidatos receberam doações dentro do limite legal. Silveira deve julgar até o final deste mês as contas de campanha do presidente da Câmara Municipal, Antônio Carlos Rodrigues e outras três representações envolvendo empreiteiras que têm contratos com a administração municipal e que fizeram doações de campanha.


Fonte: G1